Publicado 06 de Setembro de 2015 - 5h30

Chegou a hora do banco de reservas da Ponte Preta mostrar seu valor. O time que entrará em campo hoje, às 11h, para enfrentar a Chapecoense, terá cinco caras novas, sendo que quatro estão buscando espaço na equipe principal. Trata-se de um confronto direto com o adversário, que tem um ponto a mais na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro (28 a 27) e a mesma meta de permanência na elite.

Para apimentar ainda mais o duelo, que acontece na Arena Condá pela 23 rodada, ambos passam pelo incômodo jejum de vitórias na competição. A Ponte não ganha há quatro rodadas, mas conseguiu dois empates. Já a Chape vem de três derrotas seguidas. Por isso, ambos tratam o confronto como importantíssimo.

A equipe catarinense até poupou alguns de seus titulares na derrota para o Santos, por 3 a 1, no meio da semana. "Este jogo com a Ponte, para nós, é uma final" , disse o atacante Tiago Luís, que marcou um dos gols na vitória sobre o time campineiro por 3 a 0 pela Sul-Americana. "É um adversário diretíssimo e passou a ser mais ainda depois da terceira derrota", declarou o técnico Vinícius Eutrópio.

No Majestoso, o pensamento é o mesmo. "Temos um adversário que é muito perigoso quando joga em sua casa", avaliou o técnico Doriva, lembrando que o adversário só perdeu para o Corinthians e São Paulo em sua arena.

Das cinco novidades, apenas o lateral-esquerdo Gilson é considerado titular. Ele ficou fora do jogo com o Cruzeiro por força de contrato e retorna no lugar de João Paulo. Sem Fernando Bob, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e Bady, afastado por deficiência técnica, o meio-campo será formado por volantes.

Além de Elton, que vem atuando como titular, Josimar volta após se recuperar de pneumonia e Juninho, que vinha entrando no transcorrer das partidas, assume a 10. "Optamos por uma formação mais compactada no meio para reduzir os espaços do adversário", ressalta Doriva.

O ataque perdeu dois titulares. Biro Biro, pela expulsão depois do apito final do jogo com o Cruzeiro, e Borges, que reclama de dores musculares. Assim, Doriva decidiu colocar Cesinha como opção pela beirada do campo e Diego Oliveira jogará como atacante de área. Felipe Azevedo segue como titular.

Na zaga, Ferron, que herdou a vaga depois da contusão de Tiago Alves, está mantido no time. Fábio Ferreira, contratado na semana que passou, está pronto para jogar e ficará como alternativa no banco de reservas.

CHAPECOENSE

Danilo; Apodi, Rafael Lima, Neto e Dener; Elicarlos, Vilson, Cleber Santana e Wagner; Tiago Luís e Bruno Rangel. Técnico: Vinícius Eutrópio.

NOTAS DA MACACA

Domingo de manhã

Depois de hoje, a Ponte ainda fará outros três jogos às 11h. A CBF fez o desdobramento dos dias e horários de jogos até a 31 rodada e a Macaca jogará no período matutino contra o Santos (25 rodada, dia 13), Atlético-PR (28, dia 27) e Coritiba (31, 18/10).

Base

A Ponte anunciou mudanças na base. O técnico Jorge Parraga, que comandava o time sub-20, foi demitido. Para seu lugar, a diretoria anunciou a contratação de Claudinho, que dirigia o sub-20 do Mogi Mirim. Ricardo Almeida, que acumulava a coordenação técnica e administrativa da base, permanece com a parte administrativa.

Direção

Mestre e doutor em ciências do desporto pela Unicamp, Rodrigo Leitão assume a coordenação da base. Ele também é formado em nutrição, psicologia e pedagogia aplicadas ao esporte. Ele já trabalhou no Corinthians.

Fábio Ferreira chega ao Majestoso sem medo de pressão

Contratado para substituir Pablo, negociado com o Bourdeaux, da França, na semana passada, o zagueiro Fábio Ferreira já está à disposição da Ponte Preta para o jogo de hoje, diante da Chapecoense, pela 23 rodada do Brasileirão. Ele chegou ao Majestoso amparado pela regularidade apresentada em seus quase três anos no Criciúma.

"Foram três temporadas sempre atuando como titular. A cidade sempre gostou do meu trabalho e a diretoria sempre reconheceu o que fiz. Agora, aqui na Ponte, espero poder fazer história também. A gente não é perfeito, mas fico feliz pelas três boas temporadas que fiz por lá", comentou.

Foram 96 jogos pelo Criciúma com 29 vitórias, 30 empates e 37 derrotas. Fábio Ferreira marcou cinco gols, tomou 20 cartões amarelos e apenas um vermelho.

Revelado na base do Corinthians, o jogador de 30 anos fica no Moisés Lucarelli até o final do Brasileirão. "Voltar a defender um time paulista depois de seis anos é muito bom. Espero poder fazer um bom trabalho", comentou o atleta, que disse não ter medo de pressão. "Já passei por muitas equipes e sempre fui muito cobrado. É normal na minha vida. Sei que a torcida da Ponte cobra bastante e vou procurar retribuir com boas atuações", disse.

O zagueiro, que hoje ficará no banco de reservas, garante estar pronto para entrar em campo. "Estou chegando para procurar meu espaço da melhor maneira. Se o Doriva precisar, posso jogar normalmente porque vinha em atividade e estou bem fisicamente", garantiu. (PS/AAN)