Publicado 06 de Setembro de 2015 - 5h30

O Guarani ficou no empate sem gols com o Madureira, ontem de manhã, no acanhado Estádio Aniceto Moscoso, no Rio de Janeiro, na abertura da 15 rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. O resultado reduziu as chances do Bugre conquistar a vaga no G4. O time está na 6 posição do Grupo B, agora com 20 pontos.

Para atingir seu objetivo, o time campineiro agora precisará vencer os três jogos que restam na reta final da primeira fase. Segunda-feira, tem a Portuguesa e depois ainda medirá forças com o Brasil, em Pelotas-RS, dia 19, e com o Caxias, no Brinco de Ouro, dia 27.

Amanhã, os principais concorrentes do Guarani medem forças. A Lusa (5 colocada) recebe o Juventude, que é o 4. Para o Bugre, o melhor resultado é o empate, que manteria os três pontos de diferença para o G4. Qualquer outro resultado, principalmente vitória do Juventude, praticamente elimina o Bugre.

O jogo de ontem teve um primeiro tempo de pressão do Madureira e poucas oportunidades criadas pelo time campineiro. Aos 10', Fumagalli lançou Allan Dias, que cabeceou e obrigou o goleiro a rebater. Anderson Cavalo aproveitou e marcou, mas o juiz anotou impedimento. O lance, inclusive, provocou muita reclamação no vestiário alviverde.

O time da casa, que soube tirar proveito do campo ruim, reclamou pênalti aos 12' depois que Leleu caiu na disputa com Gladstone. O juiz não marcou nada. Aos 16', o mesmo Leleu bateu cruzado depois de se livrar da marcação. Atento, Pegorari espalmou.

Irritado com a arbitragem, Cavalo reclamou de uma marcação e tomou o cartão amarelo. Foi o terceiro dele que impede sua presença na partida com a Portuguesa, segunda-feira que vem, no Brinco. O Bugre teve outra chance aos 37' com Clementino. Dentro da área, o atacante foi desarmado por Iago, que aliviou o perigo.

O segundo tempo começou com o Bugre buscando mais o ataque. Aos 10', Cavalo fez bom passe para Fumagalli, que cabeceou bem. A bola passou raspando a trave.

Aos 13', em jogada que começou pela direita com Oziel, Cavalo aproveitou e quase marcou. O goleiro Márcio saltou no canto e salvou o Madureira. No minuto seguinte, o time carioca chegou com perigo e só não abriu o placar porque Pegorari defendeu o chute forte de Geovane Maranhão.

E o Guarani ainda está promovendo estreia de jogador. Foi o caso de João Henrique, que entrou no lugar de Clementino, aos 32' do segundo tempo. Antes de se transferir para o Brinco, o meia-atacante estava no CRB-AL.

Pegorari salvou mais uma, aos 36', depois que Wallace bateu falta por baixo da barreira. O goleiro bugrino fez ótima defesa e evitou a derrota.

Time critica o campo e a arbitragem

O Guarani saiu de campo ontem reclamando de tudo. Da arbitragem do baiano Gleidson Santos Oliveira, do gol do atacante Anderson Cavalo, anulado por suposto impedimento aos 10' do primeiro tempo, e também do estado do gramado do modesto estádio Aniceto Moscoso. Mesmo assim, o discurso geral é que a conquista da vaga ainda é possível.

"Os números estão aí para provar que não estou sonhando. Sou realista e sei que a situção é bastante difícil, mas temos chances", disse o técnico Pintado. "Viemos para vencer o jogo e tivemos oportunidades para isso. Tanto que fizemos um gol legítimo que a arbitragem entendeu que estava em posição de impedimento. Infelizmente, na dúvida, a arbitragem é sempre contra a gente", lamentou.

O treinador destacou o empenho dos atletas, mas ressaltou que o campo atrapalhou. "A gente tentou pressionar o adversário, mas o gramado não permitiu. O Madureira, que conhece bem o campo, acabou se utilizando das beiradas para criar as jogadas", observou.

O meia Fumagalli também reclamou. "Foi um jogo difícil num campo ruim. A gente teve situação de fazer o gol, mas não fez e não vai desistir. Vamos esperar o resultado da Portuguesa, mas enquanto houver chance matemática, vamos buscar."

Já Cavalo não perdoou a arbitragem. "A gente fez o gol e ele não deu. A arbitragem que a CBF manda é brincadeira", criticou o jogador. (PS/AAN)

MADUREIRA

Márcio; Iago (Boiadeiro, 38'/2), Daniel, Luís Felipe e Wallace; Gilson, Leleu (Geovane Maranhão, 25'/1), Ives (Léo Guerreiro, 23'/2) e Leandro Chaves; Arthur Faria e João Carlos. Técnico: Bruno Reis.