Publicado 06 de Setembro de 2015 - 0h00

Por Jaqueline Harumi

Girafas caminham por área de safari, no Busch Gardens; parque, na cidade de Tampa, tem as montanhas-russas mais radicais do mundo

Divulgação

Girafas caminham por área de safari, no Busch Gardens; parque, na cidade de Tampa, tem as montanhas-russas mais radicais do mundo

O mundo animal sempre foi uma inspiração fértil para os humanos. Seja na moda ou na decoração, a beleza dos animais nos fascina. Mas seria possível imaginar que um animal como uma raia, ou um tubarão, ou até uma criatura marinha mitológica pudessem ser o molde para um parque de diversões? Para o SeaWorld Parks & Entertainment, a resposta é um grande e sonoro sim! O parque, na região da Meca das compras para os brasileiros — Orlando —, mantém uma quase infindável diversidade de peixes, aves, mamíferos e até répteis de todo o mundo, além de claro, brinquedos inspirados neles. O SeaWorld é para se divertir, mas também uma oportunidade de aprendizagem sobre a vida de seus protagonistas.

As estrelas são os mamíferos marinhos.

O parque oferece diferentes oportunidades de interação com baleias, belugas, golfinhos, leões-marinhos, lontras, pinguins, peixes-bois, tartarugas, tubarão, focas e morsas. Em outro espaço, no SeaGarden, é possivel interagir com animais resgatados, entre eles uma coruja chiadora e uma garça rosada. Porém, a imagem do parque para o mundo é a do show One Ocean, no qual sete orcas fazem saltos e interações no Shamu Stadium, espaço com uma piscina de 26,5 milhões de litros e 30 treinadores. Uma dica para quem quiser ver a apresentação de pertinho e ainda tomar um banho, é ficar na Soak Zone.

O SeaWorld tem outras várias atrações, como peças teatrais com animais no elenco. Leões-marinhos contracenam com atores na peça educativa Clyde and Seamore’s Sea Lion High, que tem a participação de lontras e morsas. No Blue Horizons, bailarinos aquáticos interagem com golfinhos e pássaros exóticos. Fora das águas, o Pets Ahoy! traz uma comédia com cachorros, gatos e aves, dentre outros animais que viviam em abrigos. Além de verdadeiros artistas, os animais estão presentes em outras atrações como Antarctica: Empire of the Penguin. Nela, o passeio começa a pé e depois em carrinho com exibição de imagens que transmitem as sensações do habitat dos pinguins, que dão o ar da graça no fim da atração. Atrás do vidro, dentro e fora da água em um ambiente com cerca de 2,3 toneladas de neve, podem ser observados 260 pinguins de quatro espécies: rei — que pode chegar a 1,2 metro de altura —, gentoo — a ave que nada mais rápido no mundo —, adélia e de penacho amarelo.

Foto: Divulgação

A montanha-russa Cheetah Hunt, no Busch Gardens

A montanha-russa Cheetah Hunt, no Busch Gardens

No TurtleTrek é possível conferir um filme 3D 360 graus sobre as tartarugas marinhas e dois habitats, um com peixes-bois e de peixes de água doce, e outro com pelo menos dez tartarugas marinhas e cerca de 1,5 mil peixes de água salgada. No Key West, que celebra a lenda e os animais do arquipélago de Florida Keys, os visitantes podem alimentar e tocar arraias e golfinhos em um espaço de em 20 mil m². É possível ver de perto também tartarugas em extinção. No Shark Encounter, o público passa por um túnel de acrílico com 18 metros de comprimento, no fundo de um aquário de 1,1 milhão de litros repleto de tubarões, enguias, barracudas e peixes venenosos — o SeaWorld conta com 16 espécies de tubarão, sendo quatro nesse aquário. Por fim, leões-marinhos e focas podem ser vistos no Pacific Point Preserve, um espaço de 8 mil m² que reproduz a rochosa Costa Norte do Pacífico, e mães e filhotes recém-nascidos, no Dolphin Nursery. Nos dois restaurantes do parque, os animais também estão por perto, o Sharks Underwater Grill Desfrute, com vista para o aquário do Shark Encounter, e o Dine With Shamu, com observação para orcas em interação com treinadores.

Radical

Para os corajosos, o SeaWorld tem duas grandes montanhas-russas, Manta e Kraken. O parque anunciou para o meio do ano que vem, aquela que promete ser a mais alta, rápida e longa de Orlando, a Mako. A atração leva o nome do tubarão mais rápido do mundo, e será o centro das atenções de uma área de 8 mil m² totalmente destinada aos tubarões. A nova montanha-russa terá 61 metros de altura, 1,4 mil metros de trilhos e chegará a 118km/h, causando a sensação de gravidade zero. Na Manta, homenagem à maior raia de todas, que pode chegar a oito metros de envergadura e pesar mais de duas toneladas, o passageiro fica com as costas voltadas para o trilho, o que lhe permite observar bem de perto a paisagem pelo caminho, como árvores e um espelho d’água. Já na Kraken, inspirada em um monstro mitológico que habitava as profundezas do oceano, o passageiro fica com os pés soltos no carrinho que chega a 105km/h e 45 metros de altura. Quem prefere aventuras mais suaves, e ao mesmo tempo se refrescar, a opção é a Journey to Atlantis, montanha-russa que inclui duas quedas na água, e o Wild Arctic, simulador de voo sobre as geleiras do hemisfério Norte, seguido por encontro com baleias belugas e morsas. As famílias com crianças podem se aventurar ainda no Shamu’s Happy Harbor, que conta com a montanha-russa Shamu Express, os giratórios Jazzy Jellies, que chega a 9 metros de altura, e Swishy Fishies, o carrossel Sea Carousel, o elevador Flying Fiddler de 12 metros de altura com quedas curtas e o bote Ocean Commotion, com movimentos suaves para todos lados, além de um playground de quatro andares com redes, túneis, tobogãs e labirintos com jatos d’água.

 

Foto: Jaqueline Harumi/ AAN

Ihu's

Ihu's

 

Adrenalina ao máximo sob a água e nas montanhas-russas

Nadar com golfinhos-nariz-de-garrafa, praticar snokel entre peixes coloridos e raias em um grande recife, alimentar pássaros exóticos com as próprias mãos, ficar cara a cara com lontras e saguis, e tudo isso com serviço all inclusive. O Discovery Cove é um resort para passar o dia, ambientado em um oásis tropical de 13 mil m², com praias, lagoas de formações rochosas, rios tropicais e piscinas com cachoeira. Quem quiser explorar mais o local, pode viver a experiência de treinador de animais e mergulhar no SeaVenture, uma trilha subaquática feita com escafandro, em que é possível contemplar tubarões e peixes-leões, ficar ao lado de raias e cardumes, e tocar em outros animais, como a estrela-do-mar e o límulo. Com o pacote special occasion, golfinhos podem participar de pedidos de casamento e celebrações especiais com a entrega de uma mensagem personalizada escrita em uma boia, dentre outros benefícios.

O parque conta com vários locais para descanso, mas os visitantes que desejarem maior privacidade, podem alugar cabanas em meio à vegetação.

Aquatica

O que chama a atenção na a tração é a vegetação inspirada no hemisfério Sul, com cerca de 60 mil exemplares (100 espécies de árvores e 250 tipos de plantas e flores), além de duas praias artificiais com uma tonelada de areia branca distribuída em 7 mil m², uma lagoa artificial que funciona como um grande aquário com dois golfinhos-de-commerson (preto e branco) e o multi-escorregador Ihu’s Breakaway Falls, toboágua mais íngreme e mais alto da cidade — ângulo de 80 graus e cerca de 24 metros de altura. Durante o Verão, é possível encontrar aves, mamíferos e répteis pelo parque e aos fins de semana um DJ.

O Aquatica Orlando foi considerado, em 2014, o 3º maior parque aquático dos EUA e o 6º do mundo, segundo levantamento da Aecom. Das 42 atrações, abastecidas com cerca de 12 milhões de litros de água a 28 graus, com certeza o maior frio na barriga acontece dentro das cabines de portas transparentes no topo dos três toboáguas do Ihu’s assim que o chão se abre. Na espera pela sua vez é possível observar as reações das pessoas antes da queda, o que aumenta a adrenalina. Cada toboágua tem trajetória diferente, sendo que o laranja tem a maior queda livre, de 12,2 metros de altura. Para descansar, além de cadeiras e guarda-sóis nas praias, é possível locar cabanas com ventilador, armário com chave e frigobar com água mineral.

Foto: Divulgação

Homem pede mulher em casamento em atração debaixo d?água

Homem pede mulher em casamento em atração debaixo d?água

Busch Gardens

O parque, na cidade de Tampa com tema africano, guarda aproximadamente 12 mil animais. As interações acontecem em diferentes ambientes. O Serengeti Plain e Edge of Africa abrigam espécies da fauna africana. No primeiro, podem ser observados animais como girafas, zebras, rinocerontes, antílopes e avestruzes, por trem (Express Railway), teleférico (Skyride) ou caminhão aberto (Safari), momento em que é possível alimentar girafas. Já o segundo permite um safari a pé com hipopótamos, leões, lêmures, suricatos e crocodilos ao redor de um abandonado vilarejo de caçadores. No Jungala, uma área de 16 mil m² com 3 andares de redes para escalar, labirintos e túneis, os visitantes podem ficar cara a cara com orangotangos e testar a sua força em um cabo de guerra com um tigre de bengala. Na Myombe Reserve, gorilas e chimpanzés podem ser vistos em meio a floresta tropical, com cachoeiras e neblina.

Quem prefere fazer a alimentação de animais, as opções são o Walkabout Way, com cangurus e wallabies, o Bird Gardens e o Lory Landing, com diversos pássaros, e o Jambo Junction, com aves como o flamingo caribenho, além de lêmures, marsupiais, bicho-preguiça e tatu. Para completar a experiência mais próxima aos animais, os visitantes podem observar cuidados e tratamentos no Animal Care Center, inclusive em exames e cirurgias. A estrelas dos shows são animais resgatados, como cães, gatos e pássaros, no Opening Night Critters. No Iceploration, o tema é com patinadores e bonecos gigantes. Já o Madagascar Live! conta com dançarinos, cantores e banda.

Foto: Divulgação

Criança brinca com beluga, enquanto é observada de perto pelos pais

Criança brinca com beluga, enquanto é observada de perto pelos pais

Dentre todos os brinquedos, quatro chamam a atenção. O grande teste de coragem está na Falcon’s Fury, maior torre de queda da América do Norte, com 102 m de altura — o equivalente a 36 andares. Ao chegar no topo, o banco se volta para o chão e a queda chega a 96km/h. Outro gerador de adrenalina é a SheiKra, considerada uma montanha-russa de mergulho, que possui duas quedas de 90 graus, na qual o carrinho chega a 112km/h depois de ficar quatro segundos parado no topo. Após a primeira descida de uma altura de 61 metros, vem um looping com giros simultâneos e a segunda descida de 42 metros. A velocidade atingida na queda é a mesma da Cheetah Hunt, a mais longa montanha-russa do parque, com 1,3km de extensão e três arremessos para aceleração — antes da aventura é possível assistir ao guepardo que dá nome à atração em uma corrida atrás da caça (Cheetah Run). Já a Montu, que homenageia um deus egípcio, é uma montanha-russa invertida, trazendo a emoção de ficar literalmente de pernas para o ar, com um looping invertido e um vertical. O parque anunciou ainda uma nova montanha-russa para o ano que vem, a Cobra’s Curse, que promete ser a primeira de giros rápidos, com uma subida vertical e trajetória similar a um tornado.

A repórter viajou a convite do Sea World Entertainment e da Copa Airlines

 

Escrito por:

Jaqueline Harumi