Publicado 04 de Setembro de 2015 - 18h22

William Smith Jr. e James Yates se abraçam após casarem nesta sexta-feira (4) no cartório cuja escrivã foi presa

Reprodução

William Smith Jr. e James Yates se abraçam após casarem nesta sexta-feira (4) no cartório cuja escrivã foi presa

William Smith Jr. e James Yates se casaram nesta sexta-feira (4) em um cartório do Estado do Kentucky, nos EUA, após cinco tentativas negadas pela funcionária Kim Davis, que se negou a fazê-lo por questões religiosas. Ela acabou presa.  

 Kim é católica e preferiu ir presa a emitir a certidão consumando a união de duas pessoas do mesmo sexo. O juiz federal David Bunning tinha oferecido a ela três opções: cadeia, fazer o casamento ou deixar que outro funcionário do cartório o fizesse. 

Após a prisão, o juiz determinou que o casamento fosse feito e que, se algum outro funcionário impedisse a união, seria preso também. O cartório tem seis funcionários, e o filho de Kim também se recusou e emitir a certidão. Entretanto, ele não impediu que outro colega o fizesse. 

Um grupo de católicos e Joe Davis, marido da escrivã, protestaram em frente à prisão com uma placa com os dizeres "Bem-vindo a Sodoma e Gomorra" - cidades citadas na Bíblia por práticas pecaminosas.