Publicado 11 de Setembro de 2015 - 10h45

Armamento apreendido com a quadrilha

Divulgação

Armamento apreendido com a quadrilha

Policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) fizeram uma grande operação em Campinas para prender uma quadrilha especializada em roubo de carro forte no estado inteiro. Entre os presos está um ex-sargento do Exército, Ademir Luis Rondom, de 44 anos, que liderava a quadrilha e usava táticas militares para interceptar os blindados. Os bandidos usavam um fuzil .50 antiaéreo para atacar os carros fortes. Eles improvisavam uma espécie de caveirão. Eles faziam um furo em um veículo blindado,  por onde passavam o fuzil que atacaria os carros. 

A operação foi deflagrada na tarde de quinta-feira em três locais em Campinas, onde funcionava a base da quadrilha. Ao todo, a ação contou com 40 policiais e resultou na prisão de quatro envolvidos. Não houve resistência. Foram presos ainda Adelmo Luis Rondom, de 43, Danilo da Silva Araújo, de 28, e Josimar de Jesus Santos, de 30. 

Com o bando, os policiais apreenderam cinco fuzis e duas pistolas. Uma das peças mais importantes é o fuzil .50 antiaéreo. A arma era posicionada na parte traseira do veiculo de assalto. A tática do bando era ultrapassar o carro forte e, aproveitando a camuflagem de um adesivo que impedia visualizar o interior, atiravam no motor e nos vidros dianteiros do blindado.

Além das armas, as equipes do Deic apreenderam coletes balísticos e munições. Também encontraram o GM Vectra que serviria como carro de assalto. O automóvel apresentava os vidros traseiros preparados para encaixar o fuzil antiaéreo .50 e camuflado com um adesivo de um energético.

Os detidos são suspeitos de participarem de cinco ataques a carros fortes, inclusive o crime ocorrido em Mococa, no mês passado. A prisão aconteceu momentos antes da quadrilha atacar um carro forte entre Vinhedo e Valinhos.

Em Campinas, o bando usava três imóveis como base para suas ações: um pesqueiro, um haras e uma casa no Jardim Nova Esperança funcionavam como ponto de encontro do bando.

Segundo o Deic, o ex-sargento apresentava passagem por roubo e seu irmão era foragido da cadeia de Assis desde 2011. Outro integrante, Danilo, tinha sido preso por porte de arma e formação de quadrilha.