Publicado 09 de Setembro de 2015 - 21h45

Por Da Agência Anhanguera

Toninho solta pipa do alto da Prefeitura de Campinas após tomar posse, em 2001

Cedoc/ RAC

Toninho solta pipa do alto da Prefeitura de Campinas após tomar posse, em 2001

O Conselho Municipal de Direitos Humanos e Cidadania faz nesta quinta-feira (10) uma sessão especial para lembrar os 14 anos do assassinato do prefeito de Campinas Antônio da Costa Santos, o Toninho, em 2001. A sessão será às 19h, no Salão Vermelho da Prefeitura, e vai marcar mais uma vez a defesa pela federalização da investigação e do julgamento do crime. Haverá um ato em memória de Toninho.

Oito meses depois de assumir a Prefeitura pelo Partido dos Trabalhadores (PT), o prefeito foi assassinado a tiros, quando seguia de carro para a casa onde morava. A família acredita tratar-se de um crime político, a mando do crime organizado.

O traficante e sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, e outros integrantes de seu grupo chegaram a ser acusados formalmente pelo crime, mas a Justiça entendeu que não havia indícios que os incriminassem e determinou que a Polícia Civil retomasse as investigações em 2011.

O primeiro inquérito finalizado pela polícia apontou crime banal. Toninho teria sido atingido por um tiro por estar dirigindo em baixa velocidade à frente de um carro roubado onde estavam criminosos, atrapalhando a fuga deles.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera