Publicado 06 de Setembro de 2015 - 19h37

Por Inaê Miranda

Apresentação fazia parte do programa Sinfônica nos Bairros, que tem como objetivo democratizar o acesso à Orquestra e popularizar a música sinfônica com o repertório de compositores nacionais e internacionais

Camila Moreira/ AAN

Apresentação fazia parte do programa Sinfônica nos Bairros, que tem como objetivo democratizar o acesso à Orquestra e popularizar a música sinfônica com o repertório de compositores nacionais e internacionais

O que era para ser um grande espetáculo, a apresentação da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC), no Parque Dom Bosco, no bairro Vida Nova, decepcionou o público. O concerto, que teve início às 18h de sábado (5), teria duração aproximada de uma hora e meia, mas não durou mais do que 15 minutos. O motivo da interrupção foi a condição do tempo. Segundo justificou o maestro Victor Hugo Toro, a garoa que estava caindo poderia danificar os instrumentos. Uma nova apresentação será marcada para “saldar” a dívida com o público.

Uma grande estrutura foi montada no Parque Dom Bosco — espaço de lazer recém-inaugurado na região do Ouro Verde —, para receber os músicos. A apresentação fazia parte do programa Sinfônica nos Bairros, que tem como objetivo democratizar o acesso à Orquestra e popularizar a música sinfônica com o repertório de compositores nacionais e internacionais.

Estavam programados para a noite de sábado a apresentação de ritmos populares como samba, frevo e marchinhas de carnaval, especialmente selecionadas pelo maestro.

Mas durante a breve apresentação só foram executados quatro atos. Sem nenhuma explicação, o maestro Vitor Hugo Toro se despediu do público. Os músicos se levantaram, guardaram seus instrumentos e se retiraram do palco, para o espanto de todos, inclusive do próprio secretário de Cultura Ney Carrasco, que se mostrou bastante contrariado. O público chegou a pedir mais música, mas algumas pessoas, quando se deram conta de que os músicos estavam indo embora, começaram a vaiar.

Procurado ontem pela reportagem, Hugo Toro explicou que ao dar início à passagem de som já ventava muito, chegando inclusive a voar as partituras. Mesmo assim, ele decidiu iniciar à apresentação, porém, após a execução das primeiras peças começou a garoar. “Não era uma chuva tremenda, mas a garoa fina atrapalhava e colocava em risco os instrumentos. Muitos músicos até tentaram se afastar da borda do palco”, disse.

Toro contou que explicou ao público que seria uma apresentação curta, mas não entrou em detalha sobre as condições do tempo.

“Achei que cancelar seria desrespeitoso, por isso preferi fazer uma apresentação mais curta. Entendo a decepção das pessoas, obviamente me desculpo e em uma próxima data vamos pagar essa dívida com o público do Vida Nova. A Prefeitura informou que a orquestra irá se apresentar no Parque Dom Bosco novamente, em data a ser definida.

Escrito por:

Inaê Miranda