Publicado 07 de Agosto de 2015 - 19h30

Por Inaê Miranda

ÍíFOTOS: Dominique Torquato

Inaê Miranda

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Vitrines enfeitadas e comércio lotado. Mas moderação tem sido a palavra-chave do campineiro na hora de gastar com o presente do Dia dos Pais, comemorado amanhã. A busca por promoções e as compras a vista já podem ser consideradas as principais marcas da data este ano. A Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) estima um faturamento de R$ 135 milhões em Campinas e R$ 295 milhões na Região Metropolitana de Campinas (RMC), o que representa um crescimento de 2%, semelhante aos números de 2014. A queda do poder de compra do consumidor e a baixa expectativa sobre o futuro da economia do país estão entre os principais motivos do baixo crescimento.

O Dia dos Pais é considerado a 5ª data em volume de vendas, ou seja, não está entre as datas mais fortes do varejo. O avanço da inflação e o aumento do desemprego tornam o cenário ainda mais preocupante para os comerciantes. “A gente tem uma perspectiva bem baixa do volume de vendas. Se conseguirmos manter o que foi vendido no ano passado já é um bom número diante do cenário econômico”, afirmou Adriana Flosi, presidente da Associação. De acordo com Adriana, o consumidor está muito preocupado em gastar dinheiro e o crédito está mais caro. “O único número positivo que temos observado é o aumento das vendas a vista”, afirma Adriana.

Rodrigo Ferrari, proprietário de uma ótica, relata que os clientes não só estão optando pelo pagamento a vista, como estão cobrando bons descontos. “Estamos oferecendo o parcelamento, mas o pessoal tem insistido na compra a vista e pedindo muito desconto”, afirmou. Gerente de uma loja de sapatos, Diego Ferreira afirma que tem investido em promoções e nas ações internas o que tem motivado os colaboradores a vender mais. “Estamos investindo muito em campanhas e promoções porque o que atrai o consumidor é o preço”, afirma. No ano passado, o valor médio do presente foi de R$110. Este ano, a Acic estima que não deve subir muito.

A agente de vendas, Priscila Araújo, de 21 anos, optou por não sair do orçamento. Ela planejou por comprar um rádio para o pai, mas quando descobriu o valor (R$ 400), decidiu levar um sapato por R$100. “Vim decidida a comprar o rádio, mas como estava muito caro vou levar o sapato. O meu pai merece muito o rádio, mas vai precisar esperar para o ano que vem”, diz Priscila. A estudante de enfermagem Marian Caminada, de 19 anos, saiu de casa com o orçamento do presente definido. “Quis comprar uma lembrancinha de até R$ 40 para a data não passar em branco. Levei uma hora para achar uma camiseta. Está tudo muito caro”, afirmou.

Valdemir Ropelle estava na dúvida se levava uma carteira ou um sapato para o avô. Mas optou pelo sapato, quando encontrou uma boa promoção. “O preço está razoável”, disse. Carioca, Mezaque Caldeira, de 35 anos, vei passear em Campinas com o pai Enézio Caldeira, de 76 anos. “Maior presente foi a viagem na companhia dele”, disse Enézio. No domingo eles embarcam para o Rio, onde o seu Enézio vai comemorar a data na companhia dos outros nove filhos.

BOX: Procon

O Procon Campinas divulgou esta semana uma pesquisa de preços de presentes para o Dia dos Pais. Foram pesquisados 43 produtos entre os dias 15 e 28 de julho. Fizeram parte da comparação os produtos comercializados em, no mínimo, dois dos locais visitados. A coleta de preços foi realizada em 20 lojas físicas no município de Campinas e em 9 lojas virtuais. Entre os produtos pesquisados estão DVDs de músicas, séries e filmes; games; camisas de times; livros, smartgadgets e ferramentas. O levantamento está disponível no site: http://www.procon.campinas.sp.gov.br/

Escrito por:

Inaê Miranda