Publicado 07 de Agosto de 2015 - 17h09

Por Delminda Aparecida Medeiros

Valinhos abre mostra sobre Flávio de Carvalho

Delma Medeiros

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Há 116 anos, em 10 de agosto de 1899, nascia na cidade de Barra Mansa, no Rio de Janeiro, aquele que seria um artista completo: Flávio de Carvalho. Em Valinhos, cidade em que morou e onde recebeu o título de Cidadão Honorário, está uma de suas principais obras: a Casa Modernista, que projetou e executou para sede da Fazenda Capuava, de propriedade de sua família. Para comemorar o nascimento de uma das mais ilustres personalidades que têm ligação com a cidade, será aberta segunda-feira, na Câmara de Vereadores, uma exposição sobre o multi-artista. Flávio de Carvalho foi um dos grandes nomes da geração modernista brasileira. Atuava como arquiteto, engenheiro, cenógrafo, teatrólogo, pintor, desenhista, escritor, filósofo, músico, jornalista, entre outros.

A iniciativa da mostra é do produtor cultural Tite Stopiglia, um pesquisador da vida e obra de Flávio de Carvalho. “Suas obras estão dispersas, nas mãos de colecionadores para quem ele as vendeu. O maior acervo pertence ao Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Ele atuou em várias áreas e uma grande colaboração que deu à arte brasileira foi colocar nas ruas as propostas da Semana de Arte Moderna de 1922, que até então eram restritas a um grupo de intelectuais”, diz Stopiglia.

Na mostra, os visitantes poderão conferir uma maquete de sua Casa Modernista. “Como conhecedor do trabalho de Flávio, fui convidado a dar aulas inaugurais no curso de arquitetura da Universidade Potiguar (UNP), no Rio Grande do Norte. E lá planejamos a maquete que dá uma boa ideia de como é a Casa Modernista”, conta Stopiglia. A construção é considerada precursora da arquitetura moderna no Brasil. Atualmente está praticamente abandonada, mas abriga a Associação Cultural, Educacional, Social e Assistencial Capuava (Acesa), criada por uma sobrinha do artista e que atende crianças com deficiências.

Os visitantes também poderão ver uma réplica do Traje de Verão – saia, blusa de manga curta e bufante e sandália de couro - criado pelo artista em 1956, e com o qual desfilou pelas ruas de São Paulo no mesmo ano. A peça foi uma forma de contestação pelos trajes tradicionais e pesados que eram usados em países de clima tropical, como o Brasil.

“Além de mostrar um pouco da vasta produção do artista, a exposição tem a proposta de desconstruir a ideia que se criou no imaginário de uma cidade pequena como Valinhos, de que Flávio de Carvalho era mau caráter, devasso, de maus costumes”, comenta Stopiglia que, no dia 13 de agosto, às 20h, fará na Câmara a palestra Flávio de Carvalho e o Modernismo, aberta ao público.

A mostra traz ainda reproduções de obras plásticas e arquitetônicas de Flávio de Carvalho, como as casas da Alameda Lorena, projetadas em São Paulo; e a Série Trágica, em que o artista registra em nove desenhos a agonia de sua mãe em seus instantes finais de vida. A série integra a coleção do Museu Nacional de Belas Artes.

Agende-se

O quê: Exposição sobre Flávio de Carvalho

Quando: Segunda (10), às 10h. Até 31/8, de segunda a sexta, das 8h às 17h

Onde: Câmara Municipal de Valinhos (Rua Ângelo Antônio Schiavinato, 59, Residencial São Luiz, Valinhos, fone: 3829-5355)

Quanto: Entrada franca

(se estiver muito grande, lima esse box)

Saiba mais sobre Flávio de Carvalho

Flávio de Carvalho era arquiteto, engenheiro, cenógrafo, teatrólogo, pintor, desenhista, escritor, filósofo, músico entre outros. Filho de família de posses, recebeu uma educação privilegiada na França (de 1911 a 1914) e na Inglaterra, onde frequentou a Universidade de Durham. Em 1922, formou-se em engenharia civil. Ao mesmo tempo e na mesma universidade, fez seus estudos de belas artes.

Retornando ao Brasil, empregou-se como calculista na famosa firma de construção civil de Ramos de Azevedo (1924). Ele escrevia sobre arquitetura no extinto jornal Diário de São Paulo, e em 1956, seu editor pediu que fizesse um modelo de roupa masculino. Flávio deu o nome de Experiência nº 3 ao projeto, conhecido também como Traje de Verão. Ele desfilou com seu protótipo em 18 de outubro daquele ano em São Paulo. (DM/AAN)

Escrito por:

Delminda Aparecida Medeiros