Publicado 07 de Agosto de 2015 - 15h21

Por Alenita de Jesus

ÍíRECADO: Pedi para a Jaqueline colocar retorno da EMTU

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Carlinhos leitor Eduardo Sousa

Cerca de 300 moradores dos bairros Jardim Daniela e Said Jorge, em Monte Mor, fecharam os dois sentidos da Rodovia Jornalista Francisco Aguirra Proença (SP-101), a Campinas/Monte Mor, em protesto contra o fechamento da entrada do Jardim Daniela e a retirada do ponto de ônibus nas margens da pista. Os manifestantes queimaram pneus e paus e travaram a rodovia por mais de três horas. O Corpo de Bombeiros de Campinas foi acionado para controlar o fogo.

O ato aconteceu na altura do km 16, limite entre os municípios de Hortolândia e Monte Mor. Segundo a Polícia Rodoviária (PR), o fechamento da pista pelos manifestantes gerou oito quilômetros de congestionamento nos dois sentidos. O bloqueio das pistas começou por volta da 5h30 e liberadas por volta das 8h45. "Fechar uma rodovia sempre acarreta acidente e responsabilidade de quem fecha, mas houve controle do trânsito e não teve ocorrências", disse o tenente da Polícia Rodoviária, Jivago Moreto Pedra.

Para liberar a pista houve negociação entre a PR e os moradores. O tenente prometeu marcar reunião com representantes da Rodovias do Tietê para discutir uma entrada para o bairro e o ponto de ônibus. O grupo de moradores promete fazer novos protestos caso as reivindicações não sejam atendidas. “Para fazer esse protesto nos organizamos e decidimos fazer sem baderna”, frisou um dos organizadores, o desempregado José Alves de Souza.

Segundo os moradores, a retirada do ponto e o fechamento do bairro, com a colocação de guard rail, ocorreram há seis meses e desde então os usuários do transporte intermunicipal têm que caminhar cerca de um quilômetro para pegar ônibus. Além disso, para entrar no bairro, passaram a usar uma estrada de terra de uma chácara. “Você acha justo ter que caminhar na escuridão para pegar ônibus?”, contestou a doméstica Marli Alves de Matos, de 48 anos, que trabalha em Valinhos e sai de casa 5h10 para pegar ônibus.

Os manifestantes ainda afirmam que o fechamento do bairro “matou” o comércio local. No Jardim Daniela vivem cerca de 800 famílias. “Moro há 40 anos neste local e meu marido é dono de um bar nesta primeira rua, perto da pista. O movimento no bar caiu 60%. Hoje não vendemos quase nada”, disse a comerciante Rosemeire Oliveira. O vizinho dela, um borracheiro, viu sua clientela sumir depois da colocação do guard rail na entrada do bairro. “Se antes ele ganhava R$ 200 por dia, hoje fatura apenas R$ 10. É uma tristeza. Vamos mudar o nome do bairro para bairro Morto”, disse José Alves.

Outro lado

Em nota, a concessionária Rodovias do Tietê informou que registrou a participação de cerca de 40 populares e que o acesso foi fechado devido as obras de duplicação da pista e também por ser “irregular, perigoso e arriscado para usuários da rodovia”. Em relação ao ponto de ônibus, a concessionária informou que, “segundo visita técnica realizada juntamente com a EMTU, o local encontra-se posicionado em acesso inapropriado e inseguro, o qual foi fechado com a execução da duplicação da rodovia, razão pela qual o mesmo teria perdido a sua funcionalidade”. Ainda segundo a Concessionária, foi pavimentada a Rua 7 (rua lateral) e a rua municipal onde o “ponto de ônibus” se encontrava.

Já Prefeitura de Monte Mor informou que não tem medido esforços para que sejam tomadas providências tanto com relação ao bairro Jardim Daniela, como de outros bairros que margeiam a SP-101. Como exemplo, a Prefeitura, citou a falta de cobertura e segurança nos pontos de ônibus ao longo de toda rodovia, problemas no acesso a diversos bairros e a questão das passarelas. “Todos esses e outros apontamentos já foram verificados que tem insistentemente cobrado dos responsáveis pela obra (Concessionária Rodovias do Tietê, ARTESP e EMTU) para que as melhorias necessárias sejam feitas e a população atendida nas suas reivindicações. Essas cobranças foram feitas por meio de inúmeros ofícios, reuniões e contatos telefônicos”, frisou nota.

A EMTU.........

Escrito por:

Alenita de Jesus