Publicado 04 de Agosto de 2015 - 18h40

Por Paulo César Dutra Santana

Paulo Santana

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Com a missão de fazer o time reagir no Brasileirão, Doriva foi apresentado ontem pela diretoria da Ponte Preta para ocupar a vaga deixada por Guto Ferreira. E, apesar de ter ganhado notoriedade após se tornar o único bicampeão nos campeonatos paulista e carioca na sequência (2014 e 15), o treinador chegou ao Majestoso comemorando a oportunidade.

“É claro que tive grandes trabalhos no Ituano e no Vasco, mas Ponte é um clube de tradição que vem se estruturando a cada ano. Encaro como uma grande chance profissional. Um oportunidade de fazer minha carreira deslanchar”, disse.

Aos 43 anos de idade, Doriva é um iniciante na profissão. Ele também teve uma rápida passagem de oito jogos pelo Atlético-PR e tem apenas 60 partidas como treinador. Até aqui, foram 28 vitórias, 16 empates e 16 derrotas, com 56% de aproveitamento dos pontos disputados.

Doriva disse que aceitou o convite da Macaca antes mesmo de conversar sobre salário ou tempo de contrato. “Logo que me ligaram hoje (ontem) cedo, não pensei duas vezes. Aceitei logo porque sei da capacidade do clube e do elenco que existe aqui. Confio muito nesta equipe”, completou.

Segundo informações obtidas pela reportagem do Correio, Doriva terá salário equivalente a 40% do que era pago à comissão técnica chefiada por Guto Ferreira. O contrato assinado ontem vai até o final do Brasileirão, com possibilidade de renovação para a temporada 2016.

Em seus quase 20 anos de carteira como atleta, o novato Doriva teve a oportunidade de trabalhar com grandes treinadores. Começou com Telê Santana no São Paulo, em 2001, onde se tornou campeão da Libertadores, Recopa e Supercopa de 1993 e ficou até o final 2004. Depois, trabalhou com Oswaldo Alvarez no XV de Piracicaba quando venceu a Série C do Brasileiro de 1995.

E, ainda como jogador, passou pela Anapolina, Goiânia, Atlético-MG, Porto (POR), Sampdoria (ITA), Celta de Vigo (ESP), Middlesbrough (ING), Blackpool (ING), América-SP e Mirassol. Encerrou a carreira aos 35 anos de idade por problemas médicos.

Reforços

O novo comandante já poderá fazer sua estreia, domingo, na partida com o Flamengo, em Campinas. Por enquanto, disse que não pensa em pedir reforços. “Antes de qualquer coisa, a gente precisa ver o que tem em mãos. Tive um primeiro contato com os atletas e a primeira impressão foi a melhor possível. Vamos valorizar nossos jogadores”, assegura.

Com 19 pontos, a Macaca não vence desde o dia 28 de junho e amarga um jejum de sete rodadas. “Logicamente, quando acontece uma mudança ela vem acompanhada de uma boa expecativa. Vamos trabalhar para estrear com um bom resultado”, disse.

Escrito por:

Paulo César Dutra Santana