Publicado 03 de Agosto de 2015 - 5h30

Dono de um dos circos mais populares do País, Orlando Orfei morreu na noite de sábado, aos 95 anos, em um hospital de Duque de Caxias (Baixada Fluminense), onde estava internado desde o dia 18 de julho, por causa de uma pneumonia. Orfei nasceu em Riva del Garda, lugarejo de Trento, na Itália e aos cinco anos já atuava nos picadeiros, como palhaço. Foi equilibrista, malabarista e mágico antes de assumir o papel definitivo de domador. Ainda jovem abriu o próprio circo e começou a carreira de sucesso mundial. Conheceu o Brasil no fim dos anos 1960 e decidiu se estabelecer em definitivo no País.

Orfei foi responsável por várias inovações no circo. Substituiu a propaganda em folhetos por grandes outdoors, trocou as pesadas e perigosas lonas de algodão por plástico e criou um sistema para aquecer os circos durante o inverno europeu.

Como domador, Orfei procurou dar humor ao ofício marcado pela crueldade. Sentava nos leões, simulava fazer a barba com o rabo de um, deitava ao lado de outro, conversava com os animais.

O italiano instalou a sede em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde passou a morar. Foi o criador do Tivoli Park, um dos mais procurados pontos de lazer do carioca, que funcionou durante 23 anos. Em 1986, fundou o Luna Park, em Nova Iguaçu. O circo encerrou as atividades em 2008. (Agência Estado)