Publicado 08 de Agosto de 2015 - 19h05

É possível que Um Toque de Pecado (Max, 21h, 16 anos), de Jia Zhang-Ke (2013), considerado um dos maiores cineastas atuais, lhe surpreenda pela violência, mas também pela crítica que faz à China — um país que resolveu uma equação: segue comunista e fechado, mas negocia e se impõe como o mais puro capitalismo. O filme, ganhador de melhor roteiro no Festival de Cannes em 2013, traz quatro histórias: Dahai está obcecado por acabar com a corrupção. Zhou San sai de seu povoado para matar. Xiao Yu sofre por causa da indecisão de seu amante. Xiao Hui tem empregos deprimentes. São quatro episódios independentes baseadas em histórias reais saídas do noticiário. Assim, esqueça o clichê do chinês meditativo e sábio e embarque na realidade, temas como prostituição, suicídio, entre outros, aparecem ao longo do filme. Mesmo assim, não deixa de ter um toque anticapitalista, pois coloca o dinheiro, em linhas gerais, como o causador da violência. E, obviamente a referência à China faz sentido por causa da nacionalidade do diretor, mas ele fala do mundo. Não perca.