Publicado 08 de Agosto de 2015 - 5h30

Duas retroescavadeiras e uma pá carregadeira roubadas da Administração Regional 12, no Jardim Cristina, em Campinas, na última quarta-feira, foram recuperadas anteontem pela Polícia Militar (PM). Duas delas foram localizadas em um sítio no Jardim Santa Clara, em Sumaré, e o terceiro equipamento foi encontrado na região do bairro Campo Grande, em Campinas.

As máquinas foram levadas por criminosos que invadiram a unidade fortemente armados no final da tarde do último dia 5, e prenderam os sete funcionários no banheiro durante o assalto.

Uma pessoa foi presa por receptação e liberada após o pagamento da fiança.

Segundo informações passadas à polícia, cerca de dez pessoas teriam participado da ação. Duas delas entraram na AR 12, por volta das 17h30, armadas com duas pistolas. O vigilante foi o primeiro a ser rendido. Segundo as vítimas, os criminosos chegaram a manobrar outras máquinas que estavam no local, mas levaram três. Duas delas pertenciam à Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa) e a terceira a uma empresa terceirizada.

No começo da tarde de anteontem, policiais militares que faziam patrulhamento na região do bairro Santa Clara, em Sumaré, foram informados por um morador que duas máquinas foram vistas no local. Os policiais solicitaram apoio de mais viaturas e, ao fazerem a abordagem no imóvel, uma moradora os recebeu e autorizou a entrada. Dentro de um galpão no sítio foram encontradas uma retroescavadeira e a pá carregadeira. Indagado, o filho da moradora, identificado como J.S.V, de 21 anos, afirmou que havia contratado uma pessoa para fazer a terraplenagem, mas depois revelou que o homem pediu para deixar as máquinas no imóvel.

J.S.V foi preso em flagrante por receptação, mas pagou fiança no valor de R$ 2 mil e vai responder pelo crime em liberdade. Segundo a Secretaria de Serviços Públicos, responsável pelas Administrações Regionais, a terceira máquina foi recuperada em um bairro da região do Campo Grande, em Campinas. As duas retroescavadeiras foram devolvidas à Sanasa e a pá para a empresa terceirizada. O delegado titular de Sumaré, Elias Kobayashi, afirmou que os criminosos normalmente roubam as máquinas para revender. (Inaê Miranda/Da Agência Anhanguera)