Publicado 05 de Agosto de 2015 - 5h30

Três suspeitos de sequestrar a família do executivo coreano da Hyundai Autoever Corp, empresa do grupo Hyundai Motor Brasil, foram presos na noite de anteontem. O sequestro-relâmpago da mulher e dos dois filhos do executivo ocorreu no dia 23 de julho, quando eles saíam do aeroporto de Guarulhos. Ele vive em Campinas. Os acusados foram reconhecidos pelas vítimas. Parte dos produtos roubados foi recuperada e devolvida à família. O veículo utilizado pelos criminosos também foi apreendido. Segundo a Polícia Civil, o trio é suspeito de participar de outros 136 crimes.

A Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur) chegou aos suspeitos após denúncia, segundo afirmou o delegado divisionário Edson Jorge Aidar. Eles estavam em uma adega no Itaim Paulista na companhia de outras três pessoas. As vítimas, entretanto, identificaram apenas Armando Tomio Chuto Júnior, de 22 anos, Leonardo Alcântara Alves, 20, Vinícius Silvana Moraes, 28, foram levados à delegacia de Guarulhos, onde foram reconhecidos pelas vítimas. As outras três pessoas foram liberadas. Os suspeitos teriam assumido o crime e indicado a participação de uma quarta pessoa identificada como Thina Rios da Silva, de 22 anos.

“Foram presos três indivíduos e o quarto foi identificado pelas vítimas por meio de foto, mas ainda não está preso. Estamos em diligência”, afirmou Aidar. Segundo o delegado, os envolvidos estão sendo investigados pela participação em outros crimes de sequestro-relâmpago. Além do sequestro da família do executivo, outras quatro vítimas já reconheceram pelo menos um dos suspeitos.

O sequestro

O executivo teve a família sequestrada no dia 23 de julho, quando saía do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, com destino a Campinas, onde mora. A abordagem ocorreu por volta das 6h, na Rodovia Presidente Dutra, momentos depois dele deixar o aeroporto de Cumbica com a mulher e os dois filhos, de 5 e de 8 anos, que acabavam de chegar da Coreia do Sul trazendo na bagagem parte da mudança para o Brasil. Os criminosos se passaram por policiais e o executivo chegou a reagir quando percebeu que se tratava de sequestro e entrou em luta corporal com os criminosos, mas não conseguiu impedir que eles fugissem levando a família e a bagagem com a mudança. Cerca de duas horas depois de serem levados, mãe e filhos foram deixados em um bairro da Zona Leste da Capital. (Inaê Miranda/AAN)