Publicado 05 de Agosto de 2015 - 5h30

Americana ficou sem o patrulhamento da Guarda Municipal no período da tarde de ontem por causa da ameaça de corte no pagamento do Descanso Semanal Remunerado (DSR). Os servidores tiveram o benefício incorporado ao salário por meio de um Projeto de Lei aprovado na Câmara Municipal em 2014. Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Americana, a Administração atual, entretanto, entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade e conseguiu uma liminar suspendendo os efeitos da lei. O primeiro pagamento sem o DSR seria na próxima quinta-feira, o que levou os guardas a paralisarem momentaneamente na tarde de ontem.

Os guardas municipais se reuniram com os representantes do Sindicato de Americana por volta das 11h e a reunião seguiu até por volta das 17h, quando o sindicato foi informado de que o Município manteria o pagamento do DSR. O presidente do sindicato, Antônio Forti, esclareceu que a paralisação momentânea de ontem não se configurou como greve e que os servidores buscavam apenas esclarecimento sobre a situação. “A dúvida era se a Prefeitura continuaria pagando o DSR como antigamente e os patrulheiros pediram para esta situação ser esclarecida”, afirmou. Segundo Forti, a ação não foi julgada ainda e o processo segue tramitando.

No fim da tarde, segundo o sindicato ele foi informado pela Prefeitura de que o DSR seria pago normalmente aos guardas. “Já tenho essa informação. Mas o prefeito passará oficialmente amanhã (hoje)”, disse. Sindicato e Prefeitura se reúnem por volta das 9h desta quarta-feira para tratar do assunto. Guardas municipais que preferiram não se identificar já adiantaram que se o pagamento com o DSR não for efetuado na quinta-feira, existe a possibilidade real de greve. “Essa Administração não cumpre o que diz. Funcionários estão sendo demitidos, postos de saúde sendo fechados, tem muita coisa errada. E agora está querendo tirar parte dos nossos salários”, afirmou um GM.

Demissões

Os servidores públicos do município estão em estado de greve desde o dia 27 de julho, após rejeitarem a proposta feita pela Prefeitura para evitar a demissão de 563 funcionários em estágio probatório. A proposta da Prefeitura para evitar as demissões e que foi rejeitada pelos servidores era a revogação do reajuste anual de 6,2% concedido no início do ano, concessão da licença não-remunerada de dois anos aos servidores em estágio probatório e migração de todos os funcionários para o Instituto de Previdência Social dos Servidores Municipais de Americana (Ameriprev). “Temos questões seríssimas acontecendo por causa das demissões. Por enquanto, o Prefeito demitiu os contratados ilegalmente: os temporários, os eventuais e os contratados por Regime Provisório de Admissão. Queremos saber os números reais e vamos chegar num acordo para que não corra a demissão de concursados como tinha sido aventado. Se disser que vai demitir os concursados, não vamos aceitar.”

A Prefeitura foi procurada ontem, mas até o fechamento desta edição não se posicionou.