Publicado 09 de Agosto de 2015 - 5h30

Os times que se enfrentam hoje à tarde no Moisés Lucarelli vivem momentos diferentes.

Um não vence há sete rodadas, vem perdendo posições a cada rodada e entra em campo com saudade de seu ex-camisa 10, negociado durante o Campeonato Brasileiro.

O outro acaba de quebrar o recorde de público da competição, tem em Guerrero uma das melhores contratações da temporada e ainda não perdeu com o peruano em campo. Além disso, continua contratando. Ederson, ex-meia da Lazio, já chegou ao clube, mas não estreia na partida de hoje.

Outra diferença gritante entre os adversários é o orçamento. O de um deles é um dos menores da Série A. O do outro é um dos maiores.

E como todas essas diferenças técnicas e financeiras se refletem na classificação? Quantos pontos o time que vive um bom momento, contrata estrelas e tem recorde de público tem a mais do que o time que não ganha desde o final de junho, que perdeu seu craque e que hoje estreia um novo treinador para tentar sair da crise?

Um.

A resposta é um ponto. Essa é a diferença entre o Flamengo, com 20, e a Ponte Preta, com 19.

E quem tem mais gols, o badalado Flamengo ou a desacreditada Ponte Preta? A tabela mostra que a Macaca marcou mais. Um a mais. O time de Guerrero e Sheik marcou 16 vezes, contra 17 da equipe do contestado Borges.

Diante desses números todos, o que podemos afirmar sobre Ponte Preta e Flamengo é que a primeira está em uma posição intermediária da tabela, o que é uma campanha compatível com os recursos que tem para montar seu elenco.

Já o Flamengo está muito abaixo do que se espera dele. Deveria estar no G4 ou muito próximo dele. Mas na verdade o rubro-negro não frequenta o G4 do Brasileirão já há um bom tempo. E não falo de muitas rodadas, apenas.

A última vez que o Flamengo esteve entre os quatro melhores foi em 2011. E, relembrando, ano após ano é o clube que, ao lado do Corinthians, mais dinheiro recebe da TV.

Essa análise não sugere que a Ponte deve ficar tranquila, acomodada com sua posição na tabela.

O campeonato é duríssimo e o time precisa reagir o quanto antes, de preferência hoje à tarde, para se aproximar ou figurar entre os dez primeiros. Ao mesmo tempo, é preciso ter consciência de que ser ambicioso é bom, mas tomar decisões com base em metas irreais pode gerar mais problemas do que os que já existem.