Publicado 06 de Agosto de 2015 - 5h30

O River Plate é o representante de fato e de direito da América do Sul no Mundial de Clubes da Fifa, que será disputado em dezembro no Japão. Já tinha esta condição garantida porque o outro finalista da Copa Libertadores era um time mexicano, o Tigres, que só pode representar a Concacaf na competição. Mas ontem, o clube argentino ganhou por 3 a 0, no lotado estádio Monumental de Nuñez, na chuvosa Buenos Aires, após empate sem gols no México, e se sagrou campeão sul-americano pela terceira vez na história — a primeira depois de 19 anos, sendo que as outras duas taças foram conquistadas em 1986 e 1996.

O jogo começou a ser resolvido no último lance do primeiro tempo, quando Lucas Alario marcou de peixinho, após grande jogada de Vangioni pela esquerda, na primeira chance que o River Plate conseguiu criar. Até ali, a equipe argentina não tinha levado perigo ao goleiro Guzmán numa partida marcada por muitas faltas e vários cartões amarelos distribuídos pelo juiz — cinco nos primeiros 45 minutos e nove no total.

Com a vantagem no placar, o River Plate voltou para o segundo tempo recuado e usando todos os recursos para provocar os jogadores do Tigres e fazer o tempo passar. Aos 27’, Aquino perdeu a bola perto da área e, na sequência, cometeu pênalti sobre o volante uruguaio Carlos Sanchez, que tomou a responsabilidade da cobrança para si, bateu bem e fez 2 a 0.

Não havia mais dúvida de que o título estava ganho, mas ainda veio o golpe de misericórdia: o zagueiro Funes Mori, de cabeça, após escanteio da direita, fez o terceiro gols aos 33’. E daí em diante a festa tomou conta do estádio e do banco de reservas do River Plate.

Foi a conquista de uma equipe que foi a pior entre as 16 que passaram da fase de grupos e que esteve com um pé fora em algumas oportunidades. Para avançar às oitavas de final, o próprio Tigres a salvou ao derrotar o Juan Aurich, no Peru, na última rodada, por incríveis 5 a 4. Veio o clássico contra o Boca Juniors com vitória em casa por 1 a 0, em um jogo muito violento, e muita confusão na Bombonera — a partida acabou no intervalo após jogadores do River Plate serem atingidos por gás de pimenta jogado por torcedores rivais na saída do vestiário.

Nas quartas de final, a equipe do técnico Marcelo Gallardo perdeu para o Cruzeiro por 1 a 0 no jogo de ida, em Buenos Aires, mas teve forças para virar com uma contundente vitória por 3 a 0 em pleno Mineirão. Nas semifinais, mostrou raça e tradição ao passar pelo surpreendente Guarani, do Paraguai.

No Mundial de Clubes, o River Plate se junta a outros três já classificados: Barcelona (Espanha), América (México) e Auckland City (Nova Zelândia). Faltam os campeões da Ásia e da África e o clube do país-sede. (Da Agência Estado)

RIVER PLATE

Barovero; Mayada, Maidana, Mori e Vangioni; Sanchez, Ponzio, Kranevitter (Lucho González) e Bertolo; Fernando Cavenaghi (Pisculichi) e Lucas Alario (Driussi). Técnico: Marcelo Gallardo.

ÚLTIMOS CAMPEÕES

4 2005 — São Paulo

4 2006 — Internacional

4 2007 — Boca Juniors

4 2008 — LDU de Quito

4 2009 — Estudiantes

4 2010 — Internacional

4 2011 — Santos

4 2012 — Corinthians

4 2013 — Atlético-MG

4 2014 — San Lorenzo

4 2015 — River Plate