Publicado 07 de Agosto de 2015 - 20h18

Por Agência Estado

Rio Atibaia, que abastece Campinas; vazão é regulada pelo envio de água do Sistema Cantareira

Elcio Alves/ AAN

Rio Atibaia, que abastece Campinas; vazão é regulada pelo envio de água do Sistema Cantareira

Com vazão abaixo de 5 metros cúbicos por segundo, o Rio Atibaia entrou em estado de alerta e pode afetar o abastecimento de Campinas. O Alto Atibaia, na região do Sistema Cantareira, tinha vazão de 4,59 m3/s nesta sexta-feira, 7, de acordo com a Sala de Situação do Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). No Baixo Atibaia, próximo da captação de Campinas, a vazão média era de 4,44 m3/s.

De acordo com resolução conjunta da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee), a situação de alerta chama a atenção dos usuários para a proximidade do estado de restrição. Caso as vazões do Atibaia oscilem para menos de 4 metros cúbicos por segundo no primeiro ponto e abaixo de 3,5 m3/s no segundo, Campinas e outras cidades terão de reduzir a captação em 20%.

Até esta sexta-feira, segundo a Sanasa, empresa municipal de saneamento, Campinas retirava 3 metros cúbicos por segundo do Atibaia, suficientes para os 95% da população atendidos com as águas do rio.

Outros rios que abastecem a região, o Camanducaia, com 2,10 m3/s e o Jaguari, com 5,45 m3/s, estavam próximos de entrar em alerta. A Sanasa informou que a vazão apontada pela Sala de Situação do PCJ refere-se à média do rio em toda a extensão, enquanto a empresa leva em conta a vazão no local da captação, onde o nível do rio está um pouco mais elevado. Segundo a empresa, ainda não há restrição para o uso da água.

Escrito por:

Agência Estado