Publicado 07 de Agosto de 2015 - 11h45

Por Alenita Ramirez

O campeão de reclamações é o item "outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços"

Alenita Ramirez

O campeão de reclamações é o item "outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços"

Quatro homens encapuzados e armados com fuzis assaltaram a agência do banco Bradesco na Avenida Baden Powell, em Campinas, por volta das 10 horas desta sexta-feira.A ação provocou pânico e correria nas proximidades, já que ocorreu na principal avenida do bairro. 

A quadrilha conseguiu entrar no banco por volta das 9h50 quebrando uma parede de vidro com os pés. Enquanto um criminoso armado com fuzil ficou na entrada da agência, os outros três entraram e rendaram os vigilantes e funcionários. Seis clientes que estavam no autoatendimento foram rendidos e obrigados a se deitarem no chão. As pessoas que passavam pelo local a pé e viram a ação, correram e se esconderam nos estabelecimentos que estavam abertos.

Os quatro fugiram na sequência porque viram duas viaturas da Polícia Militar nas proximidades da agência. Os criminosos tentaram colocar o malote no carro que usaram no crime, um Corolla Prata, mas não conseguiram fechar o porta-malas. Eles fugiram em alta velocidade pelas ruas do bairro e abandonaram o veículo na Rua Peruíbe, no Parque Jambeiro.

O valor que estava no malote não foi divulgado pelo banco, mas policiais comentaram que os criminosos pegaram um malote errado onde havia cerca de R$ 10 mil.

A polícia suspeita que o alvo dos bandidos era o carro-forte. Segundo testemunhas, o carro de valores tinha acabado de deixar a agência quando chegou a quadrilha. O carro, um Corola modelo 2015 com placas clonadas de Campinas e produto de roubo pelo Campos Eliseos no mês passado, parou em frente à agência.

O quarteto desceu com as armas em punho e um deles rendeu um aposentado de 68 anos e cinco mulheres que estavam no autoatendimento. Os comparsas quebraram a parede de vidro no chute. “Parecia cena de filme. Eles gritaram e nos mandaram deitar no chão. É uma experiência que não quero passar nunca mais na minha vida. O tempo todo eu torcia para que a polícia não chegasse, pois meu medo era ter troca de tiros”, contou o aposentado que estava no local para fazer um depósito. “Nunca mais vou a banco em horário de abertura ou de fechamento da agência ou de abastecimento de carro-forte. Quase que morro do coração”, acrescentou o aposentado.

Ainda segundo as testemunhas, a ação durou menos de cinco minutos. Os criminosos estavam calmos e não roubaram nada dos clientes. Até a arma do vigilante que estava na agência foi poupada. Os bandidos pegaram um malote grande e seguiram até o carro.

Comerciantes nas proximidades afirmam que havia uma Tucson preta na cobertura. “As pessoas que estavam na rua se assustaram e correram. Algumas entraram nos comércios”, contou um gerente de 24 anos.

Comerciantes e funcionários que estavam em atendimento correram para os fundos dos estabelecimentos para se protegerem. “O meu medo era de que houvesse troca de tiros. Você ver um assalto pela tevê é uma coisa, mas assim ao vivo, da muito medo”, disse uma balconista.

No momento em que os bandidos saíam da agência, duas viaturas da Polícia Militar (PM) faziam ronda nas proximidades e estavam em lados opostos a cerca de 200 metros do banco. Houve perseguição, mas os ladrões fugiram sentido ao Parque Jambeiro, que dá acesso para a Rodovia Anhanguera. Na fuga, os criminosos não conseguiram fechar o porta-malas do carro, que foi abandonado na Rua Peruíbe, ao lado de uma mata do Parque Jambeiro. 

Segundo a Polícia Militar (PM), o quarteto fugiu em outro carro. As buscas tiveram apoio do helicóptero Águia e do Batalhão de Ações Especiais (Baep). O roubo será investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Segundo o chefe dos investigadores, Marcelo Hayashi, as investigações já iniciaram e o setor já tinha recebido algumas informações valiosas. “Não posso dizer que teremos uma solução rápida neste caso, mas a investigação já tem uma direção e isso ajuda muito”, frisou Hayashi.

Nova Europa

Essa é a primeira vez que a agência é roubada, mas o local já foi alvo de pelo menos quatro explosões de caixas eletrônicos. Em nota, a assessoria de imprensa do banco informou que a agência ficou fechada nesta sexta e reabrirá na segunda-feira.

Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) publicados na semana passada, revelam que nos seis primeiros meses deste ano, Campinas teve quatro roubos a bancos contra um no mesmo período. O último assalto foi no dia 3 de julho na agência do Bradesco da Ceasa, em pleno horário de almoço. O bando fugiu com malote, mas todos já foram presos.

 

Escrito por:

Alenita Ramirez