Publicado 03 de Agosto de 2015 - 6h03

Por Jaqueline Harumi

Contêineres foram espalhados pela cidade, o que causou reclamação de muitos moradores

Janaína Rbineiro/Especial a AAN

Contêineres foram espalhados pela cidade, o que causou reclamação de muitos moradores

Uma pesquisa feita para avaliação da coleta mecanizada de lixo orgânico implantada em Campinas em maio do ano passado surpreendeu moradores do Parque Alto Taquaral na última quarta-feira (29), três semanas depois de o juiz da 1ª Vara da Fazenda de Campinas, Mauro Iuji Fukumoto, acatar a ação de moradores contrários ao serviço, alegando que os contêineres foram mal posicionados, que a higienização mensal é insuficiente e que a audiência pública no distrito de Barão Geraldo para debater a coleta ocorreu apenas seis dias antes da implantação, e sem a devida divulgação. A Prefeitura e a Renova Ambiental, empresa que presta o serviço, negam que tenham encomendado a pesquisa.

Segundo o jornalista Gilberto Gonçalves, de 64 anos, morador do Alto Taquaral há 35 anos, um pesquisador do Instituto de Pesquisa de Sorocaba (Ipeso) bateu à sua porta, devidamente uniformizado e com crachá, e fez várias perguntas em uma entrevista que durou de 15 a 20 minutos, mas não revelou quem encomendou o levantamento. “Perguntou se o serviço melhorou ou piorou, o que achava dos contêineres, da coleta, da higienização, da localização”, contou o jornalista, que também respondeu algumas questões relacionadas ao bairro, como a asfalto, iluminação e calçada. De acordo com o morador, outros três pesquisadores entrevistavam vizinhos da rua.

A secretária da Associação de Moradores do bairro, Ana Augusta Barbosa Jordão Monteiro, 57 anos, pede transparência na ação. “Pesquisa é sempre bem-vinda desde que seja para efetivar melhorias. Se for fundo político é mais uma campanha. Acredito que sendo mais esclarecedor o próprio morador se sente mais seguro para dar opinião”, explicou.

Procurado pela reportagem, o representante do Ipeso não retornou contato para falar sobre a pesquisa. O porta-voz da Renova disse que tomou conhecimento porque moradores ligaram ao 156 com medo de abrir a porta para pesquisadores e desconhece a autoria. Já a Prefeitura apenas negou ter encomendado o levantamento. A coleta mecanizada foi implantada em seis regiões da cidade (Centro, Cambuí, Sousas, Joaquim Egídio, Barão Geraldo e Taquaral).

Escrito por:

Jaqueline Harumi