Publicado 15 de Julho de 2015 - 18h37

Por Paulo César Dutra Santana

Paulo Santana

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O pedreiro Francisco Ivan, a dona de casa Terezinha Crispin e o ex-zagueiro Pinheiro viajaram cerca de 400 quilômetros para acompanhar de perto a estreia da Ponte Preta na segunda fase do Campeonato Brasileiro Sub-20. Mas o resultado não foi o esperado. A Macaquinha, que enfrentou o Vitória, ontem à tarde, no Estádio Moisés Lucarelli, saiu de campo com derrota por 3 a 2, sofrendo a virada no finalzinho da partida.

Mas a viagem do trio que mora em Ribeirão Claro, cidade de 11 mil habitantes, no norte do Paraná, não foi por acaso. Eles são parentes do atacante Leandrinho, que entrou em campo e, mais uma vez, deixou sua marca. Fez o segundo gol depois de uma bobeira da zaga baiana, demonstrando habilidade e faro de gol.

Naquele momento, a Macaquinha voltava a ficar em vantagem no placar depois de ter feito 1 a 0 com Giovanny batendo pênalti, no primeiro tempo, e Rafaelson ter empatado no ínicio da etapa final, com um belo cabeceio na área. O segundo do Vitória foi em pênaltoi cometido por Jeferson e a virada veio de um golaço de Alex.

Francisco, que é pai do atacante, trouxe a esposa Terezinha para ver o filho jogando uma partida oficial “É um orgulho muito grande poder ver o nosso filho defendendo a Ponte”, disse, ressaltando que só conseguiu viajar porque ficou com pouco trabalho em sua cidade por causa das fortes chuvas que caem por lá.

Ex-zagueiro de times do Interior paranense, Pinheiro, que é tio e também foi o primeiro treinador de Leandrinho na escolinha AARM (Associação Atlética dos Menores Ribeirãoclarenses), se mostrava empolgado e “um pouco assustado” com o destaque do sobrinho.

“A gente tem procurado tomar todo cuidado com a carreira dele. É um bom menino, que se dedica aos treinamentos e tem cabeça boa. Tem muita gente que nos procura (para ser empresário), mas quem decide tudo ainda é a família”, garante.

Aos 16 anos, Leandrinho já foi convocado diversas vezes para a Seleção Brasileira Sub-20 e tem contrato firmado com a Udinese, da Itália. Já passou por clínicas de treinamentos em Udine, para onde deve seguir assim que complear a maioridade. “O lado financeiro nunca vai pesar mais do que o lado pessoal. Tudo que for decidido no futuro, será sempre pensando no melhor para o atleta e também para a Ponte”, conclui Pinheiro.

O técnico do time profissional, Guto Ferreira, já disse que pretende contar com Leandrinho. Tanto que tem sido convocado e ficado no banco de reservas em algumas oportunidas. "Tudo tem seu tempo e sua hora", ressalta Guto.

Escrito por:

Paulo César Dutra Santana