Publicado 12 de Julho de 2015 - 16h22

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Camila Moreira/AAN

Eric Rocha

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

A Prefeitura de Campinas espera começar as operações da subprefeitura do futuro distrito do Ouro Verde até o final deste ano. O prazo é o esperado para o término das obras de reforma do prédio que servirá como sede da estrutura administrativa, localizado no Jardim Cristina. De acordo com a Secretaria de Serviços Públicos, a unidade da subprefeitura do Campo Grande já foi escolhida e a pasta agora finaliza o projeto de reforma para dar início aos trabalhos, no Parque Valença I. Os dois imóveis também contarão com serviços municipais que serão descentralizados.

No Ouro Verde, a reforma é feita pela Sanasa e pela Secretaria de Serviços Públicos. A unidade que abrigará a subprefeitura fica na Rua Armando Frederico Renganeschi, próximo ao terminal de ônibus da região. O imóvel abrigava antes uma loja que vendia motocicletas. “A previsão de entrega está para três a quatro meses. A ideia é começar antes do final do ano”, afirmou o secretário de serviços públicos, Ernesto Paulella. A expectativa do montante gasto com as obras ainda não foi fechado, de acordo com ele, porque as intervenções no prédio são feitas em parceria com a empresa de abastecimento.

A pasta também está terminando o projeto de reforma do local que servirá como sede da subprefeitura do Campo Grande. O prédio, que foi escolhido há cerca de um mês, fica em frente à Administração Regional 13, na Rua Natale Bertucci. Segundo Paulella, o imóvel ainda não tem um prazo para receber as atividades e os funcionários da nova estrutura porque os estudos sobre as obras ainda não terminaram.

Além das subprefeituras, os prédios também contarão com um centro de atendimento da Sanasa, do Procon e uma unidade regional da Informática de Municípios Associados (IMA), empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação da Prefeitura. “A ideia é que a subprefeitura não seja apenas uma Administração Regional. Ela vai oferecer um grau de serviços que hoje não há na periferia. De imediato vamos levar os que estão prontos para ser instalados e no futuro a tendência é descentralizar mais serviços”, explicou o secretário.

Os projetos de lei que definem as localizações, a estrutura operacional e administrativa, responsabilidades e quadro funcional foram aprovados no final do mês passado, em primeira discussão (legalidade), pela Câmara dos Vereadores. O presidente do Legislativo campineiro e autor das propostas, Rafael Zimbaldi (PP), afirmou que elas devem voltar à pauta de votação logo na primeira semana de agosto, depois que os parlamentares retornarem do recesso de julho. Ainda no ano passado, a Prefeitura criou duas vagas de subprefeitos. Eles vão comandar um grupo de funcionários que serão absorvidos da mão de obra das Administrações Regionais 12 (Ouro Verde) e 13 (Campo Grande).

Nas eleições municipais de 2012, os campineiros votaram em um plebiscito e aprovaram a criação das duas novas unidades administrativas: o distrito do Ouro Verde foi aprovado com 54,15% dos votos válidos e o do Campo Grande por 53,85%. As delimitações territoriais já foram definidas pelo Instituto Geográfico e Cartográfico do Estado de São Paulo (IGC).

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista