Publicado 08 de Julho de 2015 - 20h47

Por Inaê Miranda

ÍíFOTOS:

Inaê Miranda

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

O filho do vereador Cid Ferreira (SD), Carlos Roberto de Souza, de 47 anos, foi preso em flagrante por embriaguez ao volante, por volta das 23h40 de anteontem. Ele foi detido após quase provocar um acidente envolvendo a viatura da Guarda Municipal, na Avenida Aquidabã. Segundo informações da Guarda Municipal, relatadas à polícia, o técnico em saneamento estava em um veículo Golf prata, parado na via, sentado no banco do motorista com sinais visíveis de embriaguez: odor etílico no hálito, desequilíbrio, fala alterada e desordem nas vestes. Os guardas relataram ainda o tom agressivo com que o homem tratava os agentes, com “arrogância, exaltação e ironia”. Dentro do veículo foi encontrada uma garrafa de vinho “Cabernet Sauvignon” quase vazia, jogada no banco do passageiro.

Souza foi orientado pelos guardas municipais a contatar alguém da família que pudesse dirigir o veículo já que ele não estava em condições. Souza teria desconsiderado a orientação e da forma como estava deu partida no veículo e quase provocou um acidente envolvendo a viatura da Guarda Municipal, conforme foi relatado à polícia. Ele foi abordado novamente pelos agentes que deram voz de prisão e o conduziram ao 1º Distrito Policial. Ele foi preso em flagrante e passou pelo exame clínico no Instituto Médico Legal, já acompanhado do advogado, onde foi comprovada a embriaguez. Como a pena para o crime é menor que 4 anos – o que permite o pagamento de fiança -, Souza pagou fiança de R$ 1 mil e foi solto.

A reportagem não conseguiu contato com Carlos Roberto Souza. Procurado, o vereador Cid Ferreira disse que não tinha conhecimento do fato. “Eu trabalhei o dia inteiro e não estou sabendo de nada. Não o vejo há uma semana. Ele tem a vida dele. É casado. Estou neutro e quero continuar neutro. Quero que ele me procure, vou pensar no que vou fazer”, afirmou. Questionado sobre a natureza do crime, Cid Ferreira afirmou que não bebe e que é “totalmente contrário” à combinação bebida e direção. “Pode acarretar consequências graves. Se ficar comprovado, tem que ter punição. Independente de ser meu filho. Não posso proteger, se é que realmente foi ele”.

Escrito por:

Inaê Miranda