Publicado 08 de Julho de 2015 - 15h33

Por Maria Teresa Costa

Maria Teresa Costa

Da Agência Anhanguera

[email protected]

As chuvas que estão caindo desde o início do ano na calha principal do Rio Atibaia e nos afluentes do rio e as preciptações nos primeios dias de julho, mês tradicional de agravamento da seca, farão com que Campinas consiga passar pelo período tradicional de estiagem sem necessidade de rodizio no abastecimento, segundo a Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa). Na avaliação da empresa, tudo indica que a cidade irá passar com tranquilidade pelo período mais crítico do ano. Ontem, a vazão do Atibaia ficou em 7,4 metros cúbicos por segundo (m3/s) mais que o triplo do que a empresa captou (2 m3/s) para abastecer 95% de Campinas.

A empresa capta o que a cidade consome e o volume atual retirado do rio, segundo a empresa, é normal para essa época do ano, quando o consumo cai por causa do frio. A elevação na vazão do rio ajuda a melhorar a qualidade da agua. O Sistema Cantareira operou ontem, pelo sexto dia consecutivo, com 19,7% da capacidade total, e descarregou 1,33 m3/s nas Bacias PCJ distribuidos nos rios Jaguari e Atibaia e 9,15 m3/s para a Grande São Paulo. A água está sendo captada do volume morto, porção que fica abaixo das comportas das represas e que precisa de bombas para ser utilizada no abastecimento.

O coordenador de comunicação da Sanasa, Marco Lodi, disse que o rodízio no fornecimento está descartado. “O volume de chuvas desse ano superou as preciptações do ano passado”, afirmou.

Escrito por:

Maria Teresa Costa