Publicado 07 de Julho de 2015 - 16h36

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Carlos Rodrigues

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O empate sem gols diante do Madureira desagradou o Guarani, mas o clima não foi de insatisfação total pelo menos para um jogador. Principal novidade do time na partida, o lateral-direito Raoni foi o destaque do Bugre em campo e, com a boa atuação, agradou o técnico Paulo Roberto Santos e ganhou moral para buscar uma sequência na equipe, já que o titular Oziel ainda se recupera de uma lesão na coxa e está fora do jogo contra a Portuguesa, marcado para o próximo domingo.

O confronto contra os cariocas foi apenas o oitavo do jogador de 20 anos como titular do Guarani. Escolhido para substituir Oziel, que se contundiu no treino de sexta-feira, Raoni atuou acima das expectativas. Aproveitando o fato do Bugre explorar muito as jogadas pelos lados, ele apoiou o ataque com frequência, iniciou algumas das principais jogadas do time na partida e surpreendeu positivamente o técnico Paulo Roberto Santos.

“É um atleta que foi escalado de última hora e se portou muito bem. As principais jogadas pelos lados foram com ele, e jogadas com qualidade”, reconheceu o treinador. “É um atleta jovem e que tem tudo para crescer. Torcemos para que ele tenha uma sequência de bons jogos. Com o Oziel contundido, ele vai seguir no time e, com a atuação que teve, nos dá confiança para dar essa sequência”, completa o comandante.

Contente com o que produziu, Raoni acredita que este pode ser o momento ideal para se firmar na equipe. “Espero manter essa regularidade e mostrar que tenho condições de ser o titular da lateral do Guarani. Eu vinha treinando e trabalhando forte à espera dessa oportunidade. Fiquei feliz com a confiança do treinador e agora é hora de continuar dando meu melhor”, afirma o lateral.

Jogador com características mais defensivas, Raoni não tem o costume de ser tão incisivo no apoio, mas explica que as descidas frequentes ao ataque contra o Madureira foram fruto de um pedido do treinador. “Durante a palestra, o Paulo comentou que teríamos que utilizar bastante as beiradas. Fui para a partida já sabendo que seria bastante acionado e precisava corresponder”.

Elogios

Os elogios a atuação não vieram apenas da comissão técnica. Filho de Índio, ex-lateral-direito com passagem inclusive pelo Guarani, Raoni comentou que o pai, que curiosamente atuava na mesma posição, também gostou do que viu no domingo. “Ele disse que, no geral, minha atuação foi boa e elogiou, me deu os parabéns. Mas quando ele vê algo que não deu certo, ele também dá um puxão de orelha”, revela.

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva