Publicado 03 de Julho de 2015 - 20h20

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Valorização da posse de bola, troca paciente de passes e domínio do jogo. Essas características refletem o que foi o Guarani na semana passada diante do Tombense, no primeiro jogo depois que o técnico Paulo Roberto Santos teve tempo para trabalhar a equipe. A postura, que funcionou na primeira vitória do Bugre na Série C e é exigida frequentemente nos treinamentos, será colocada à prova hoje contra o Madureira, mas com uma ressalva. A da necessidade de ser um time mais vertical.

O fato de ter supremacia no meio-campo, controlar o adversário e passar mais tempo com a bola nos pés faz parte dos preceitos transmitidos pelo treinador bugrino, muito por conta de uma das alterações que realizou. “Logicamente que a entrada do Serginho Catarinense no meio teve esse intuito de preencher o setor e valorizar a posse da bola”, explica o técnico.

Para o jogo de hoje, Paulo Roberto pediu algo mais. “Em determinados setores temos que ser mais agudos, verticalizar as jogadas e arriscar. Estamos pedindo isso a eles, mas é claro que só a sequência de jogos vai dar ao grupo essa confiança de jogar mais de forma vertical, principalmente quando estiver no campo adversário”, projeta.

O goleiro Rafael Santos elogia a postura. Para o camisa 1 bugrino, a junção de estilos dará ao Guarani o padrão esperado. “Nós temos essa característica de ficar com a bola de maneira inteligente e imprimir o ritmo. Assim, corremos menos riscos. Mas também, quando é preciso ser vertical, nosso ataque tem qualidade para poder definir”, opina. (CR/AAN)

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva