Publicado 02 de Julho de 2015 - 13h54

Por Alenita de Jesus

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Divulgação

Um engenheiro de automação de 39 anos foi feito refém durante um assalto e obrigado a dirigir seu próprio carro para um bandido armado, por cerca de 20km em uma velocidade acima de 150km/h, anteontem à noite. A vítima foi rendida no bairro Nova Veneza, em Sumaré. Uma testemunha viu a ação e avisou a Polícia Militar (PM). Houve perseguição pela Rodovia Anhanguera e o bandido, o comerciário Fábio da Silva Biller, de 32 anos, foi preso após a vítima bater com o carro em um barranco na Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença (SP-101), a Campinas, Monte Mor, em Campinas. Com ele foram apreendidos um gorro, um par de luvas e um revólver calibre 38 com seis munições. Durante a abordagem ao suspeito, um policial foi desembarcar da viatura e quase foi atropelado por um motociclista que que quis ultrapassar pela direita. A porta da viatura foi arrebentada.

O assalto foi por volta das 23h40 na Rua Minas Gerais. O engenheiro chegava na casa da namorada quando foi abordado por quatro bandidos armados e encapuzados. A vítima estava dentro do seu carro, um EcoSport. "A rua é escura e eu havia ligado para minha namorada cinco minutos antes avisando-a. Ela me esperava no portão", contou.

Os criminosos estavam em um Honda Civic prata e pararam na frente da vítima. "Achei que queriam o carro e já desci entregando o veículo, mas eles disseram que era para voltar para o carro que eu ia dirigir. Como minha bicicleta estava no banco do passageiro traseiro, um deles entrou e os comparsas foram no Civic", relatou o engenheiro.

Uma testemunha viu a ação dos bandidos e ligou para a polícia, que ficou em alerta. O engenheiro foi obrigado a dirigir, com a arma na cabeça e ora na costela, pela Rodovia Anhanguera, sentido Capital. "O bandido me mandava a correr e me ameaçava. Tinha momentos que ele pegava no volante. A todo momento eu achava que algo de pior poderia acontecer. Senti muito medo", disse.

Foi feito bloqueio na Anhanguera e na Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença, onde o bandido tentou parar o carro no acostamento, mas não conseguiu. O carro só parou ao bater em um barranco. Ao menos 15 viaturas da polícia dava cobertura na perseguição. A vítima nada sofreu.

Escrito por:

Alenita de Jesus