Publicado 13 de Julho de 2015 - 21h04

Por Paulo Santana

Bady, que se destacou pelo São Bernardo no Estadual do ano passado, recebeu críticas no Sul e tenta dar novo rumo na carreira em Campinas

Divulgação

Bady, que se destacou pelo São Bernardo no Estadual do ano passado, recebeu críticas no Sul e tenta dar novo rumo na carreira em Campinas

A Ponte Preta contratou dois meias que estavam em disponibilidade no Atlético-PR para tentar suprir a saída de Renato Cajá, negociado com o Sharjah, dos Emirados Árabes. Felipe, que jogou 15 partidas neste ano, já se apresentou, nesta segunda-feira (13), para iniciar exames médicos no Majestoso. Bady, que foi destaque do São Bernardo no Paulistão do ano passado e participou de 11 partidas em 2015, deve se apresentar nesta terça-feira (14).

Em comum, a dupla chega com a objetivo de dar uma guinada em suas carreiras. Isso porque, depois da má campanha no Estadual, os dois foram bastante criticados pelos torcedores locais. Ambos chegam ao time campineiro por empréstimo até o final do Brasileirão.

Felipe de Oliveira Silva marcou quatro gols e deu duas assistências nas 15 vezes que entrou em campo. Ele nasceu em Piracicaba e tem 26 anos. Começou na base do Palmeiras, passou por Rio Branco, Bahia, Olaria, Mogi Mirim, Figueirense e também pelo Guarani, com certo destaque em 2012.

Bady, que na verdade se chama Renato Escobar Baruffi, não marcou gol na temporada, mas deu duas assistências (passe que termina em gol). Estava relacionado para o jogo do Atlético-PR que terminou com derrota por 2 a 1 para o Fluminense, mas acabou retirado de última hora para poder acertar com a Macaca.

Sem Renato Cajá, que foi negociado por R$ 6 milhões, a Ponte havia ficado somente com Adrianinho como opção para o setor de armação. Com a chegada da dupla, o técnico Guto Ferreira poderá começar a montar o time, nesta terça, para o desafio com o Joinville, com um pouco mais de alternativas.

Cajá embarcou, na madrugada desta segunda, para o Oriente Médio. Como a viagem dura em média 15 horas, chegou no início da noite e os primeiros exames médicos só poderão ser realizados, nesta terça, na sede do clube.

O time é comandado pelo técnico Paulo Bonamigo, que passou pela Macaca em 2012. O atacante Wanderley, que é campineiro e foi revelado na base da Ponte, também faz parte do elenco do Sharjah.

Ele vestiu a camisa da Macaca entre 2006 a 2008, quando teve a oportunidade de ser companheiro de Cajá na campanha do vice-campeonato paulista. No elenco árabe, Cajá encontrará outros brasileiros: o zagueiro Maurício Ramos (Palmeiras) e o meia Léo Lima (Vasco, Santos, Grêmio, Flamengo e São Paulo).

Depois de dois dias de folga, os atletas retomam o trabalho nesta terça para definir uma forma de acabar com o jejum de vitórias que já dura quatro rodadas no Campeonato Brasileiro. O Joinville, adversário de domingo (19), passa por um momento delicado e também entrará em campo pressionado.

NOTAS

Reconstrução

Sem Renato Cajá, o técnico Guto Ferreira prevê o início de uma nova fase da Ponte Preta no Brasileirão. "Vamos passar por um processo de reconstrução, mas acho que atingiremos o objetivo que é ficar entre os dez primeiros colocados" , comentou, depois da derrota em casa por 2 a 0 para o Atlético-MG.

Pé torto

O lateral-esquerdo Gilson conseguiu a proezar de errar 90% dos cruzamentos que tentou durante a partida com o Galo. Ele tentou 40 cruzamentos e acertou somente 10. E, destes, nenhum chegou com perigo iminente ao gol defendido pelo goleiro Victor.

Perigo!

Quando conseguiu sua última vitória, em casa, diante do Atlético-PR, pela nona rodada, a Ponte chegou a 16 pontos e tinha nove a mais que o Flamengo, então primeiro colocado da zona do rebaixamento. Hoje, apesar de estar na 10ª posição com 17, está a apenas quatro pontos de entrar para o grupo da degola.

Escrito por:

Paulo Santana