Publicado 03 de Julho de 2015 - 22h19

Por Paulo Santana

Guto Ferreira disse que o gramado do Itaquerão estava muito liso

César Rodrigues/AAN

Guto Ferreira disse que o gramado do Itaquerão estava muito liso

A derrota para o Corinthians, por 2 a 0, na quinta-feira (2), provocou uma onda de reclamações por parte da Ponte Preta. A insatisfação começou com o gramado molhado pouco antes do início da partida. Continuou durante o jogo quando o placar da Arena publicou a hastag "Desde77", em uma clara provocação pela vitória corintiana na histórica final do Paulista de 1977. E culminou com as críticas do técnico Guto Ferreira ao suposto antijogo do Timão.

"Molhar o gramado é uma estratégia que vem sendo usada, mas particularmente estava muito liso nesta partida. Isso atrapalhou bastante a nossa equipe", lamentou Guto.

A mesma estratégia já foi utilizada contra a Ponte Preta no jogo com o Cruzeiro, no Mineirão. A diferença é que, na preparação para aquela partida, a Macaca chegou a treinar com seu campo bastante molhado. E não aconteceu por acaso. Foi um pedido especial do treinador pontepretano, que sabia da estratégia adversária e, depois, saiu de campo comemorando o empate por 1 a 1.

O treinador também reclamou da suposta cera do goleiro Cássio no lance em que ele evitou o gol olímpico do meia Renato Cajá. Após a defesa, ele caiu com o cotovelo sobre a barra de sustentação da rede e passou cinco minutos sendo atendido pelos médicos. Tanto que o jogo só terminou com 53 minutos, sendo que o segundo gol corintiano saiu aos 50.

"Qualquer um aqui reclamaria de um antijogo corintiano, porque ficou cinco minutos parado. Enfim, antijogo total. Infelizmente o futebol é assim", lamentou o treinador, que não comemorou como gostaria a sua 100ª partida no comando da equipe campineira.

PROVOCAÇÃO

A diretoria disse, nesta sexta-feira (3), que entrará com representação contra o Corinthians por causa da mensagem vinculada no placar eletrônico que dizia "#desde77". "Foi usado um meio oficial para provocar a torcida adversária. Uma atitude, no mínimo, imatura e que incita a violência", disse o diretor jurídico alvinegro, Giuliano Guerreiro.

O vice-presidente Giovanni Dimarzio também lamentou a atitude do adversário, com quem tem bom relacionamento. "Foi uma provocação gratuita e desnecessária. Uma atitude lamentável", afirmou o dirigente.

Mas Guto também falou da principal atitude a ser tomada para o jogo com o Palmeiras, domingo (5), às 18h30, na Arena Pantanal. "É momento de reforçar a autoestima, pois o campeonato não para", alertou.

NOTAS

Foi por querer

Falando sobre o cartão amarelo por reclamação durante o jogo com o Corinthians que o tirou da partida com o Palmeiras por ser o terceiro, o meia Renato Cajá deixou a impressão que foi de propósito. "Uma hora iria acontecer o terceiro. E eu estou precisando descansar um pouco", comentou o meia da Macaca.

Transferência

O camisa 10 voltou a falar da possibilidade de ser negociado durante a janela de transferência internacional que vai até o próximo dia 21. "A Ponte sabe de tudo o que está acontecendo. E, se realmente, vier a acontecer, todos saberão no momento certo", garantiu.

Dúvidas

Os atacantes Biro Biro e Diego Oliveira deixaram o gramado da Arena Corinthians reclamando de dores. Nesta sexta, passaram por avaliações e, segundo a assessoria do clube, farão parte da delegação que segue na manhã deste sábado (4) para Cuiabá. A dúvida é se estarão em condições de jogar ou não na Arena Pantanal a partir das 18h30.

Escrito por:

Paulo Santana