Publicado 04 de Julho de 2015 - 20h54

Por Carlos Rodrigues

Recém-contratado, Anderson Cavalo (de colete) faz, neste domingo (5), seu primeiro jogo no Brinco de Ouro: estilo agressivo deve ajudar o centroavante bugrino

Leandro Ferreira/AAN

Recém-contratado, Anderson Cavalo (de colete) faz, neste domingo (5), seu primeiro jogo no Brinco de Ouro: estilo agressivo deve ajudar o centroavante bugrino

Depois da primeira vitória rechaçar a pressão e trazer de volta a confiança, o Guarani busca, neste domingo (5), a afirmação na Série C do Campeonato Brasileiro no duelo contra o Madureira, às 11h, no Brinco de Ouro, em partida válida pela 6ª rodada. Com seis pontos conquistados, o Bugre conta com um novo resultado positivo para se fixar de vez na parte superior da tabela e seguir na cola do G4 do Grupo B.

Para os bugrinos, o jogo serve também para mostrar que a apresentação diante do Tombense não foi obra do acaso, mas sim um indicativo daquilo que o time pode fazer daqui para frente. “A primeira vitória foi importante para valorizar o trabalho que fizemos, mas agora temos um jogo em casa para confirmar isso. Não adianta chegar agora e entregar três pontos ao adversário. Precisamos da nossa afirmação no campeonato e uma boa atuação ajuda muito para darmos sequência a isso”, destaca o goleiro Rafael Santos.

Além disso, será a oportunidade do alviverde se reencontrar com o caminho das vitórias atuando em seus domínios. Em casa, o último triunfo foi o 4 a 1 sobre o Batatais, no dia 18 de abril, ainda pela Série A2 do Paulista. Desde então, são duas derrotas e um empate em Campinas. Aproveitamento bem inferior ao obtido no início do ano. “O objetivo é fazer esse bom resultado ao lado de nossa torcida”, salienta o zagueiro Gladstone. “Temos boas possibilidades de fazer um bom jogo, mas precisamos dar atenção total ao Madureira, que me parece muito perigoso”.

A cautela do defensor parte do princípio de respeito total ao adversário, embora a campanha do Madureira não esteja de forma alguma empolgando. Com três pontos, a equipe carioca ocupa a 8ª posição e pode entrar na zona de rebaixamento. Chama a atenção o desequilíbrio apontado nos números do Tricolor Suburbano. Antes do início da rodada, o Madureira era o dono do 2º melhor ataque da Série C com 9 gols, e tinha a pior defesa, tendo sido vazado 11 vezes.

Para o técnico Paulo Roberto, a forma de atuar do adversário deve servir de alerta. “É um time que ainda não venceu, mas tem característica ofensiva. Precisamos ter atenção com o ponto positivo do adversário e saber explorar aquilo que eles vão oferecer”, afirma o treinador bugrino, que para o jogo deste domingo deverá ter apenas o desfalque do lateral-direito Oziel, com uma lesão na coxa. Raoni será seu substituto.

MAIS VERTICAL

Valorização da posse de bola, troca paciente de passes e domínio do jogo. Essas características refletem o que foi o Guarani na semana passada diante do Tombense, no primeiro jogo depois que o técnico Paulo Roberto Santos teve tempo para trabalhar a equipe. A postura, que funcionou na primeira vitória do Bugre na Série C e é exigida frequentemente nos treinos, será colocada à prova, neste domingo, contra o Madureira, mas com uma ressalva. A da necessidade de ser um time mais vertical.

O fato de ter supremacia no meio-campo, controlar o adversário e passar mais tempo com a bola nos pés faz parte dos preceitos transmitidos pelo treinador bugrino, muito por conta de uma das alterações que realizou. “Logicamente que a entrada do Serginho Catarinense no meio teve esse intuito de preencher o setor e valorizar a posse da bola”, explica o técnico.

Para o jogo deste domingo, Paulo Roberto pediu algo mais. “Em determinados setores, temos que ser mais agudos, verticalizar as jogadas e arriscar. Estamos pedindo isso a eles, mas é claro que só a sequência de jogos vai dar ao grupo essa confiança de jogar mais de forma vertical, principalmente quando estiver no campo adversário”, projeta.

O goleiro Rafael Santos elogia a postura. Para o camisa 1 bugrino, a junção de estilos dará ao Guarani o padrão esperado. “Nós temos essa característica de ficar com a bola de maneira inteligente e imprimir o ritmo. Assim, corremos menos riscos. Mas também, quando é preciso ser vertical, nosso ataque tem qualidade para definir”, opina.

NOTAS

Madureira

A má fase do Madureira na Série C do Brasileiro deixou o clima tenso no clube durante a semana. Após a derrota em casa para o Juventude, quando o time chegou a estar na frente do marcador por três vezes, o técnico Toninho Andrade entregou o cargo. A diretoria, no entanto, não aceitou e o manteve no comando.

Arbitragem

O paranaense Rafael Traci apita o jogo deste domingo, auxiliado por Daniel Cotrim de Carvalho, também do Paraná, e Fábio Rogério Baesteiro, de São Paulo. O árbitro tem 33 anos, é professor de educação física e, pelo Brasileiro, já trabalhou em duas partidas da Série B.

11 horas

Por conta de um pedido de uma das emissoras que transmitem a Série C, o Guarani jogará, neste domingo, pela segunda vez às 11h. O horário, que tem se tornado comum no futebol brasileiro, não é muito bem visto pelo técnico Paulo Roberto. "É um horário incomum e muda toda a rotina de preparação dos atletas", disse.

Escrito por:

Carlos Rodrigues