Publicado 09 de Julho de 2015 - 14h57

Por Mariane Mirandola

Cássia gravou as músicas quando ainda era uma 'criança' que mal conhecia a verdade

Divulgação

Cássia gravou as músicas quando ainda era uma 'criança' que mal conhecia a verdade

Cássia gravou as músicas quando ainda era uma 'criança' que mal conhecia a verdade

 

Um novo disco que recupera canções antigas de Cassia Eller foi disponibilizado nesta quinta-feira,9, no Itunes. Denominado "O Espírito do Som", o disco traz dez faixas gravadas por ela ao violão quando tinha apenas 21 anos.

Lançado como volume 1, pela Coqueiro Verde, o álbum conta com covers da cantora em português, inglês, espanhol e francês e o caráter amador foi mantido.

Uma fita de Elisa de Alencar

A fita com as canções foi entregue para a família de Cássia pela jornalista Elisa de Alencar, primeira namorada de Cássia Eller. "Eram músicas de que ela gostava muito e que apresentava em shows em Brasília. Quando encontrei a fita, mal dava para ouvir, de tão sujo", conta

 

Veja também:

Paulo Fontenelle fala sobre o longa 'Cássia' 

Cantora de Indaiatuba apresenta tributo à Cássia Eller

 

Elisa aparece no encarte com a cabeça no colo da cantora. A gravação foi feita no 3-em-1 da casa do Lago Sul, que ela dividia com e que Cássia visitava sempre.

Segundo Elisa a cantora gravou cerca de 20 música e na época pediu que fosse entregue para seu irmão, que morava em Olinda.

Material intacto e uma voz limpa

"Foi incrível quando ouvi. Descobrir o timbre daquela época, a voz limpa, a Cássia já buscando um repertório e aquela maneira só dela de cantar", diz Rodrigo Garcia, que tocou com ela de 1997 a 2001 e trabalha em seu acervo.

O álbum conta com canções como "Segredo" (Luiz Melodia), "Ausência" (Ednardo) , "Sua Estupidez" (Roberto/Erasmo), "For No One" (Lennon/McCartney) "Ne Me Quitte Pas" e também uma música de Cássia com a amiga Simone Saback, "Flor do Sol".

Eles são sócios do selo Porangareté (palavra indígena extraída de "Flor do Sol"), pelo qual está saindo o CD. "Tem muito material inédito, estamos sempre garimpando.

No caso do volume um, Garcia explica que a produção "é muito mais sentimental do que técnica". 

 * Com informações da Agência Estado

Veja também

Escrito por:

Mariane Mirandola