Publicado 07 de Julho de 2015 - 17h06

Traficantes trocavam dez tubos plásticos vazios por um cheio de cocaína

Cedoc/RAC

Traficantes trocavam dez tubos plásticos vazios por um cheio de cocaína

Traficantes trocavam dez tubos plásticos vazios por um cheio de cocaínaEstudo feito pela Universidade Federal Fluminense (UFF) revelou que cerca de 90% das notas de real em circulação apresentam traços de cocaína.

A matéria do jornal O Globo aponta que o fato acontece devido o grande número de usuários e traficantes que enrolam as notas para aspirarem a droga. Outro motivo seria a intensa circulação do dinheiro e a mistura de notas nas máquinas de saque e nos bancos.

A quantidade é pequena, cerca de 50 a 300 microgramas, porém a distribuição é tão ampla que aumenta a quantidade por nota, podendo chegar até a 774 microgramas.

É importante destacar que, apesar do fato indicar uma grande disseminação da droga, ele não representa riscos à saúde.