Publicado 16 de Julho de 2015 - 5h31

Em meio às discussões sobre a criação de uma “banda de flutuação” para a meta fiscal, a equipe da agência de classificação de risco Moody’s iniciou ontem uma série de reuniões com a equipe econômica dentro do processo anual de reavaliação da nota de risco de crédito soberano do Brasil. Às vésperas da eleição presidencial do ano passado, a agência rebaixou de “estável” para “negativa” a perspectiva da nota do País - mas manteve o grau de investimento, uma espécie de “selo de bom pagador” exigido por investidores para fazer aportes.

Ontem, os técnicos da Moody’s foram recebidos por diretores do Banco Central. Hoje, a reunião será no Ministério da Fazenda, onde o grupo deverá conversar inclusive com o ministro Joaquim Levy. O objetivo é obter informações sobre a economia do País e averiguar os projetos do governo. Um dos pontos mais observados é o comprometimento com o superávit primário - a meta atual da equipe econômica é de R$ 66,3 bilhões, ou 1,13% do PIB, mas já há discussões para flexibilizar essa meta ou até criar uma banda similar a que já existe no regime de metas de inflação. (Agência Estado)