Publicado 15 de Julho de 2015 - 5h30

O risco de perder o emprego e a dificuldade na recolocação profissional elevaram a procura por cursos de qualificação em Campinas neste ano. O aumento chegou a 40% nos cursos gratuitos oferecidos por instituições como o Centro de Educação Profissional de Campinas - Prefeito Antonio da Costa Santos (Ceprocamp), vinculado à Secretaria Municipal de Educação.

O mercado de trabalho está cada dia mais exigente, e com poucas vagas abertas pelas empresas, o caminho para o trabalhador é se aperfeiçoar.

Na hora de disputar um emprego, ter conhecimentos técnicos específicos, uma boa postura na entrevista e na dinâmica são fatores que podem ser decisivos pela contratação.

Governos e empresas buscam saídas para aumentar a quantidade de vagas oferecidas para qualificação profissional em Campinas. A previsão é que nos próximos meses sejam abertas vagas em programas como o Pró-Jovem, cujo total deve chegar a 2 mil.

Um dos principais projetos nacionais para qualificação, que é o Pronatec, vem sofrendo cortes de recursos dentro da estratégia do ajuste fiscal promovido pelo governo da presidente Dilma Rousseff.

A diretora-executiva da Fundação Municipal para Educação Comunitária (Fumec) e do Ceprocamp, Darci da Silva, afirmou que aumentou em 40% a busca pelas vagas oferecidas em 20 cursos de qualificação e cinco técnicos que ocorrem neste segundo semestre.

“Recebemos 6.258 inscrições. As pessoas que não conseguiram uma oportunidade neste semestre ficarão em uma lista para os cursos do primeiro semestre de 2016” , comentou.

Ela disse que muitos candidatos procuraram um curso depois de perder o trabalho, mas outra parcela grande buscou pela qualificação para manter o emprego. “O trabalhador está cada dia mais consciente da importância da qualificação profissional. Em períodos de escassez de vagas de trabalho e de desemprego em alta, quem estiver melhor preparado tem mais chance de continuar empregado ou se recolocar mais rápido”, disse Darci.

Segundo ela, no ano passado foram formadas 200 pessoas nos cursos técnicos e mais de 2 mil nos cursos de qualificação. A diretora-executiva informou que outras 2.500 pessoas se formaram em um programa específico para os alunos do Ensino de Jovens e Adultos (EJA).

“Nesse caso, 2.500 pessoas foram qualificadas”, apontou. Darci disse que as inscrições para cursos do Ceprocamp serão abertas no início de 2016.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) informou que não está com inscrições agora para cursos gratuitos, mas em outubro devem ser abertas novas oportunidades para estudar nos cursos técnicos da instituição.

A Secretaria Estadual de Emprego e Relações de Trabalho informou que em Campinas estão em andamento dois cursos qualificação de pedreiro e reparador de linhas telefônicas. De acordo com o órgão, há um processo de licitação para abertura de novas vagas no município.

O Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) oferecem em Campinas vagas para o curso gratuito de moto frete.

Jovens

Se para os profissionais experimentados já está difícil o atual momento do mercado de trabalho, a situação fica ainda mais complicada para os jovens sem experiência e que estão começando a carreira.

O Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) oferece aos estudantes cursos pela internet. “O Ciee oferece mais de 30 temas que podem ser acessados pelos estudantes via ensino a distância. Também realizamos palestras nas faculdades para orientar os estudantes que estão ingressando no mercado de trabalho”, comentou a gerente regional do Ciee Campinas, Rosângela Pereira.

O secretário de Trabalho e Renda de Campinas, Arnaldo Salveti, afirmou que está em tratativas com o governo federal que vai permitir oferecer 2 mil vagas de qualificação no programa Pró-Jovem.

“Também temos parcerias com o governo estadual para qualificação de trabalhadores em Campinas. Antes de definirmos quais serão os cursos, vamos dialogar com as empresas para saber quais os profissionais que elas precisam”, explicou.

Ele disse que, atualmente, estão em formação profissionais nas áreas da construção civil e de informática.