Publicado 09 de Julho de 2015 - 5h30

Em meio a preocupações com a China e a Grécia, o dólar teve forte alta nesta ontem e fechou acima de R$ 3,20 pela primeira vez em três meses. O dólar comercial comercial terminou a R$ 3,228, em alta de 1,41%, na maior cotação desde 27 de março.O dólar subiu em todo o mundo por causa das preocupações com a China, depois que as medidas postas em prática pelo governo do país não conseguiram conter a queda no mercado de ações. Em apenas um mês, as ações das empresas chinesas perderam cerca de um terço do valor, embora continuem 75% acima do registrado há um ano. Somente ontem, 1,3 mil empresas tiveram a comercialização de ações suspensa na Bolsa de Xangai, o que levou investidores a comprar dólares.As tensões em torno das negociações do futuro da economia grega também contribuíram para a alta da moeda norte-americana. Ontem, o país pediu formalmente um novo resgate do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira, fundo que socorre os países da zona do euro. O Conselho Europeu exigiu que o governo grego apresente uma proposta hoje para tentar fechar um acordo até domingo.China

A Bolsa de Xangai fechou ontem em baixa de 5,9%, em um clima de pânico apesar das novas medidas das autoridades e da suspensão da cotação de quase 1.300 títulos do mercado chinês. O índice de referência perdeu 219,93 pontos, a 3.507,19 unidades, depois de operar em queda de 8% durante a sessão. A Bolsa de Shenzhen fechou em baixa de 2,5%.As bolsas de valores chinesas têm protagonizado uma queda livre nas últimas sessões, com empresas correndo para escapar do desastre, tendo suas ações suspensas e os principais índices acionários do país despencando após o regulador alertar sobre um “sentimento de pânico” entre os investidores.Os efeitos sobre o dólar se fizeram sentir de imediato, mas foi muito mais intenso no Brasil que em outros mercados. Por aqui, a divisa já vinha registrando uma forte saída - que superou a entrada em US$ 4,69 bilhões no mês de junho - o pior resultado mensal deste ano.Além disso, operadores afirmaram que a escalada da moeda norte-americana nesta sessão e na anterior ativou uma série de operações automáticas de compra de dólares para limitar perdas de investidores (o chamado “stop-loss”). Com mais compradores, o valor tende a subir. (Das agências)