Publicado 03 de Julho de 2015 - 19h05

As homenagens ao escritor, tradutor, advogado e poeta modernista campineiro Guilherme de Almeida, reconhecido como “Príncipe dos Poetas”, têm início hoje e prosseguem durante a semana com palestras, sessão solene, exibição de filmes, encenação, exposição e outras atrações.

A programação foi definida pela Casa Guilherme de Almeida em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e entidades culturais da cidade. “Este ano (a Semana) tem o diferencial de contar com o apoio e diretrizes da Casa Guilherme de Almeida, órgão responsável pelo patrimônio e por manter viva a memória e obra do poeta”, diz o secretário de Cultura, Ney Carrasco.

“O Marcelo Tápia, presidente da casa, ajudou a fazer a programação-tronco, abrindo espaço para as iniciativas das Academias Campinense de Letras (ACL) e Campineira de Letras e Artes (ACLA). A proposta é transformar o evento em uma grande semana literária, sem perder a ligação com a intelectualidade da cidade”, reforça. A Casa Guilherme de Almeida é uma instituição da Secretaria de Estado da Cultura, gerenciada pela Organização Social Poiesis, com sede na cidade de São Paulo.

O mês de julho foi escolhido para as homenagens por ser o mesmo de seu nascimento (24 de julho de 1890) e de morte (11 de julho de 1969) e, ainda, pelo dia 9 de julho ser o marco da Revolução Constitucionalista de 1932, da qual ele participou ativamente.

“Este ano firmamos esta parceria visando ampliar as ações e abordar as várias facetas do poeta, que era também tradutor, compositor, uma pessoa muito ligada à cena cultural do Estado. Ele colaborou na criação do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), escreveu textos teatrais, atuou como crítico de cinema durante cerca de 30 anos, com a coluna Cinematographos, no jornal O Estado de S. Paulo, foi roteirista da Vera Cruz, criou hinos e brasões. A programação busca abarcar todos esses aspectos”, afirma Tápia. “Guilherme de Almeida foi muito famoso em seu tempo. Foi escolhido ‘Príncipe dos Poetas’ em 1959, em votação popular, disputando com os poetas Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Vinicius de Moraes”, completa.

Além de palestras sobre vida, obra e sua ligação com a Revolução Constitucionalista, haverá encenação de uma peça baseada em textos do poeta, para mostrar sua ligação com o teatro, exibição de curtas de cinema mudo com trilha sonora ao vivo ao piano, e do longa São Paulo, Sinfonia da Metrópole, filme de 1929, com trilha sonora ao vivo pelo grupo Nova Música Eletroacústica (NME), seguido de leitura da crítica ao filme escrita pelo poeta, solenidade em referência aos 83 anos da Revolução de 1932, além das atividades nas academias culturais (leia mais ao lado).