Publicado 10 de Julho de 2015 - 5h30

A Secretaria Municipal de Saúde de Valinhos confirmou anteontem a segunda morte no ano por febre maculosa no município. O anúncio ocorreu após a chegada de exames realizados pelos técnicos do Instituto Adolfo Lutz, em Campinas, que detectaram a doença em Luiz Franco de Oliveira, de 54 anos, morador do bairro Figueira.

De acordo com a pasta, Franco foi internado, em estado grave, na Santa Casa da cidade em 19 de junho e morreu poucas horas depois da hospitalização. Ele apresentava um quadro de dores de cabeça, inchaço, manchas espalhadas pelo corpo e dores diversas. Parentes disseram que dias antes de ser internado, ele buscou atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas foi medicado e liberado.

A Secretaria Municipal da Saúde comunicou que será realizada, em caráter emergencial, uma ação epidemiológica na residência de Franco, com o principal objetivo de tentar detectar a presença de carrapatos-estrela que possam continuar colocando sua família em risco.

O primeiro caso de morte do ano por febre maculosa em Valinhos foi registrado em março. A vítima foi Antônio Evaristo Ribeiro Rezende, de 59 anos, que residia no Jardim Santa Rosa.

A Prefeitura de Valinhos informou, por meio de nota oficial, que realiza constantemente programas de prevenção e combate à doença, reforçados por palestras e ações educativas em escolas, clubes de serviço e entidades. Trabalhos de limpeza de terrenos e poda de mato alto próximo a córregos e rios também são realizados.

Hospedeiro

A febre maculosa é uma doença grave transmitida pelo carrapato-estrela. Seu principal hospedeiro é a capivara. Em períodos de forte estiagem, os casos da chamada “doença do carrapato” costumam aumentar, o que leva as autoridades a adotarem medidas mais enérgicas de alerta e prevenção.

Em fevereiro deste ano, moradores do Jardim Emília se queixaram da circulação de capivaras. Eles relataram que cerca de 40 capivaras vivem em um bosque da Prefeitura. Elas costumam circular livremente pela região. Carrapatos-estrelas chegaram a ser encontrados pelos moradores em seus animais de estimação e próximos às residências.