Publicado 04 de Julho de 2015 - 5h30

A saída do padre Rodrigo Catini Flaibam da Paróquia Santa Rita de Cássia, na Nova Campinas, causou comoção entre os moradores do bairro e fiéis que frequentam a igreja. Querido pela comunidade, o padre atuava há cinco anos e meio como vigário paroquial, auxiliando o monsenhor Fernando de Godoy Moreira, então pároco da igreja e nomeado no final de maio pároco emérito. Com a aposentadoria do monsenhor, o padre Rodrigo será transferido para outra paróquia e continuará como diretor do Setor de Imprensa da Arquidiocese. Nos próximos dias, o arcebispo d. Airton José dos Santos anunciará em qual paróquia o padre vai atuar. A missa de despedida será celebrada amanhã, às 20h, e no próximo domingo acontece a celebração de posse do padre Carlos Donizeti da Silva como novo pároco. “Os fiéis estão comovidos com a minha saída e a do monsenhor, é um conjunto dos dois. Da minha parte, só tenho a agradecer a cidade de Campinas e dizer que aceitei com alegria essa nova missão, esse chamado da Igreja. Vou sentir saudades, mas o que fica no coração é o carinho. Estou com o espírito em paz”, afirmou padre Rodrigo, que ressaltou a amizade com seu sucessor .

“O padre Carlos é meu amigo, é jovem, tem 45 anos, e o bispo quis trazer essa novidade para trazer ideias jovens para a igreja”, disse. O Correio recebeu várias mensagens de fiéis lamentando a saída e, na página da Santa Rita de Cássia na internet, políticos e frequentadores da igreja deixaram mensagens exaltaram a atuação do padre Rodrigo. “Pessoa de grande caráter e formação, além de seu forte carisma e muita dedicação. Hábil no trato com as pessoas, sempre ponderado e correto nas pregações e manifestações pessoais”, afirmou o vereador Rafa Zimbaldi (PP), presidente da Câmara, em mensagem no site. Juiz de direito e colunista do Correio, Fábio Toledo ressaltou a dedicação e a maneira como o padre conduz as missas e transmite as mensagens da Bíblia. “O padre Rodrigo soube muito bem comunicar às almas a graça santificante. E o fez com profunda sabedoria, impregnada de uma terna e afetuosa caridade.”

Padre Rodrigo, de 37 anos, foi ordenado diácono em agosto de 2002 e sacerdote em fevereiro de 2003, na Catedral de Campinas, por d. Gilberto Pereira Lopes. Atuou em Monte Mor até 2003 e em Valinhos até janeiro de 2010. (Bruno Bacchetti/AAN)