Publicado 03 de Julho de 2015 - 5h30

A Polícia Militar, com apoio dos policiais do 13 Distrito Policial de Campinas, deteve ontem à tarde na região do Campo Grande o porteiro Rafael de Lima, de 27 anos, acusado de assaltar ao menos 19 estabelecimentos comerciais, na sua maioria farmácias, em Campinas, Hortolândia e Paulínia, num período de seis meses. Lima foi detido quando saiu de casa com o carro para comprar pão, no bairro Santa Clara do Lago. Ele confessou os crimes e afirmou que a réplica de pistola usada nos assaltos estava na casa de um amigo.

De acordo com a PM, Lima é porteiro em um condomínio de Barão Geraldo e nas horas vagas usava a Parati 2008 prata da ex-mulher, com quem ainda mantém contato, para praticar os assaltos. O alvo eram estabelecimentos com funcionárias mulheres, que teoricamente não reagiriam à abordagem, já que a arma de fogo é falsa. As vítimas eram levadas para o fundo do comércio e então o criminoso pegava o dinheiro do caixa e em algumas oportunidades telefones celulares e notebooks.

O tenente Ricardo Magalhães, que liderou a detenção do suspeito, afirmou que as características físicas foram determinantes para sua identificação, pois ele possui uma mancha vermelha nos dois olhos e usa óculos. Apesar de o veículo não ter sido visto nas filmagens, a equipe de inteligência do 8 Batalhão da PM conseguiu identificar o carro suspeito e, com apoio da Polícia Civil, através do emplacamento, identificou seu proprietário, o que desencadeou uma série de diligências que levou à detenção do acusado.

“Na hora ele confessou todos os roubos e a forma que agia batia com as filmagens, levando as vítimas para o fundo do estabelecimento”, disse. Diante da apresentação de Lima, três inquéritos instalados e reconhecimento fotográfico feito por 19 vítimas ao longo da investigação dos crimes, o delegado titular do 13 DP, José Roberto Rocha Soares, pediu mandado de prisão preventiva à Justiça, que concedeu mandado provisório por cinco dias no início da noite. Segundo a PM, ao longo da tarde 15 vítimas compareceram ao distrito e fizeram reconhecimento presencial. “O que nós esperamos é que com a divulgação das imagens dele as vítimas compareçam à delegacia para que o reconheçam. Nós temos certeza que haverão outras vítimas”, disse Soares. (Jaqueline Harumi/Da Agência Anhanguera)