Publicado 01 de Julho de 2015 - 5h30

Um acordo assinado pelo Ministério Público Estadual (MPE) e o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) prevê a criação de um canal direto de comunicação entre os órgãos para acelerar a atuação da Promotoria em casos de homicídios cometidos com a suspeita de participação de grupos de extermínio ou ação de agentes do Estado. O termo de cooperação em defesa dos direitos humanos vale para todo o Estado de São Paulo. O contato direto deve estar disponível até a semana que vem.

Segundo o MPE, o objetivo é desburocratizar e agilizar a chegada de informações nas comarcas, além de melhorar a investigação desses crimes específicos. O promotor de justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça Criminais, Everton Luiz Zanella, explicou que a melhor comunicação foi um pedido de movimentos sociais e de conselhos, com quem a Promotoria tem estreitado as relações.

“Foi uma demanda que eles solicitaram para a gente, para que o contato seja mais fácil. Quando houver qualquer tipo de violação, na esfera criminal, os movimentos sociais ou qualquer pessoa leva isso para o Condepe e eles trazem para o setor”, afirmou.

Diante de delações e notícias sobre as violações, o Centro de Apoio Criminal poderá comunicar a Promotoria nas comarcas e até mesmo designar um promotor temporário para acompanhar as investigações da Polícia Civil, por exemplo. “Poderemos acompanhar desde o primeiro momento e estreitar o relacionamento com essas comunidades. Muitas vezes uma pessoa testemunha um crime e quer prestar uma informação, de forma imediata.” (Eric Rocha/AAN)