Publicado 13 de Julho de 2015 - 5h30

Com uma atuação muito irregular e vivendo de lampejos individuais, principalmente de Alexandre Pato, o São Paulo cumpriu com a obrigação, venceu o Coritiba por 3 a 1, no Morumbi, e conseguiu dar alegria para sua torcida, que fez uma grande festa e bateu recorde na manhã de ontem. Com 59.612 presentes (58.482 pagantes), o jogo teve o maior público do Campeonato Brasileiro, batendo a partida entre Atlético-MG e Joinville, que foi acompanhada por 55.987 torcedores.

Quem foi ao Morumbi não saiu totalmente satisfeito. O São Paulo chegou aos 24 pontos, se mantém firme na briga pelas primeiras colocações, mas o Coritiba somou apenas um ponto fora de casa e parecia ser uma presa muito mais fácil antes da bola rolar. A dificuldade na criação das jogadas e a boa marcação do adversário fez com que o jogo tivesse alguns momentos de sofrimento para o torcedor.

O técnico Juan Carlos Osorio levou a campo uma formação bem ofensiva. Com Michel Bastos na lateral esquerda e Pato, Centurión e Luis Fabiano no ataque, o time ganhou em ofensividade, mas perdeu na criatividade. Teoricamente, Hudson e Rodrigo Caio ficariam mais na marcação e Ganso seria o criador de jogadas. Porém, o camisa 10 parecia sonolento e errou lances simples.

Assim, Hudson teve que sair mais para o jogo e acabou bagunçando taticamente a equipe, tanto que o Coritiba até chegou a ter um certo domínio do jogo por alguns instantes. Mas prevaleceu a técnica individual. Com dificuldades para criar, o jeito encontrado pelo Tricolor foi apostar nos lançamentos para Pato e Centurión, que estavam em uma manhã inspirada.

Aos 14’, Lucão deu um longo passe para Alexandre Pato, que na esquerda dominou, cortou Luccas Claro e cruzou rasteiro na pequena área. Centurión, um pouco à frente, em posição de impedimento, que não foi assinalado pela arbitragem, aproveitou e mandou para as redes. Aos 39’, Centurión driblou o goleiro Wilson e fez um belo gol, mas o assistente marcou erroneamente impedimento. Seis minutos depois, Lucão e Pato repetiram o que fizeram no primeiro gol. O zagueiro lançou, o atacante entrou na área, cortou dois zagueiros e bateu no contrapé do goleiro Wilson: 2 a 0.

No segundo tempo, Ney Franco mandou o Coritiba para o ataque e deu trabalho. No entanto, logo no início, o São Paulo perdeu a chance de matar o jogo com Ganso. Sozinho, aproveitando rebote, ele conseguiu chutar para fora.

Aos 14’, o Coxa deu emoção ao jogo. Negueba aproveitou falha de Matheus Reis e passou para Marcos Aurélio, que driblou Ceni e descontou. O jogo então ficou dramático para o São Paulo, mas aos 45’ Pato fez a diferença. Em jogada individual, fintou o marcador e bateu cruzado para fechar o placar. (Da Agência Estado)

Rogério Ceni defende Ganso das críticas

A vitória do São Paulo ficou marcada pelo recorde de público do Campeonato Brasileiro, pelos dois gols marcados por Alexandre Pato, mas também pelas vaias e a má atuação de Paulo Henrique Ganso. O meia foi muito criticado pela torcida e bastante vaiado quando substituído por Boschilia, no segundo tempo. Ao final da partida, o goleiro Rogério Ceni defendeu o companheiro e disse que não concorda com as críticas. "Achei que o Ganso jogou bem. Deu assistências e se doou pelo time", analisou o capitão. Quando foi substituído, Ganso mostrou irritação. Ele não quis cumprimentar o técnico Osorio e ainda deu um chute em um copo de água. Osorio garante que não se incomodou com a postura do jogador, mas vai conversar com ele, por respeito ao grupo. (AE)

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Thiago Mendes, Rafael Toloi, Lucão e Michel Bastos; Rodrigo Caio, Hudson (João Schmidt) e Ganso (Boschilia); Centurión (Matheus Reis); Alexandre Pato e Luis Fabiano. Técnico: Juan Carlos Osorio.