Publicado 07 de Julho de 2015 - 5h30

Na próxima semana, a delegação de atletismo do Brasil desembarca em Toronto para a disputa dos Jogos Pan-Americanos, que acontecem de 10 a 26 de julho. Na equipe estarão cinco esportistas que treinam em Campinas na pista do Centro de Alto Rendimento (Cear): o maratonista Franck Caldeira, Lutimar Abreu Paes (800m), Wagner Cardoso (4x400m), Hugo Balduíno (400m e 4x400m), da equipe BM&F Bovespa, e Jonathan Henrique da Silva (4x400m), da Orcampi/Unimed.Para os três integrantes do revezamento 4 x 400m, que ainda conta com Pedro Luiz de Oliveira e Hederson Stefani (o grupo terá um reserva), será a estreia em Jogos Pan-Americanos. Apesar da concorrência forte, uma vez que o Brasil aparece na prova como a quarta potência — a liderança é dos Estados Unidos, seguido por Bahamas e Jamaica —, os garotos sonham em garantir uma medalha em Toronto. “Temos a expectativa de no revezamento 4 x 400 brigar por medalha. Na zona pan-americana somos a quarta equipe, porém, vamos para melhorar essa posição”, comentou o técnico da Orcampi, Evandro Lázari, que também integra o quadro de técnicos da Seleção Brasileira e viajará para o Canadá assim como Ricardo D’Angelo, responsável pela preparação de Franck Caldeira e de Lutmar Paes. Ao todo, 12 treinadores compõem a comissão técnica do atletismo brasileiro no Pan.“Nós estamos em uma progressão de resultados, visando o Mundial e ainda sonhando também com Olimpíada, então o Pan-Americano entra como mais uma etapa deste crescimento”, comentou Wagner Cardoso. “Mas vamos para Toronto buscar medalhas, ganhar experiência para o Mundial e até porque um título no Pan dá ainda mais confiança para Rio-2016”, completou Jonathan da Silva. Após os Jogos Pan-Americanos, eles treinarão nos Estados Unidos e em agosto disputarão o Mundial em Pequim (China).Para Hugo Balduíno, que além do revezamento 4 x 400m, vai disputar a prova dos 400m, os Jogos Pan-Americanos são mais uma etapa de um recomeço vitorioso. O atleta de 28 anos quase desistiu do atletismo há quatro anos por conta de sucessivas lesões, mas em sua segunda passagem na BM&F Bovespa, sendo treinado por Evandro Lázari em Campinas, tem reencontrado o caminho das vitórias.“Sofri muito no atletismo e pensei em largar tudo. Minha última cartada foi vir treinar com o Evandro, com quem estou desde o final de 2012. E os resultados apareceram, me mudei para Campinas e este Pan e Mundial são frutos que estou colhendo. E ainda busco a vaga olímpica”, comentou o mineiro de Uberlândia, bicampeão brasileiro nos 400m.Atualmente, Hugo tem como melhor tempo na distância 45seg09, mas sabe que precisa baixar a marca para entrar na final individual do Pan. “A expectativa é que o Hugo brigará para estar entre os oito melhores e se conseguir fazer 45s estará na final”, comentou Evandro Lázari.E os integrantes do revezamento levaram algo em comum para o Pan: um pouco da fé. A Bíblia estará presente nas malas de Wagner e Jonathan, e o terço de rosas vermelhas acompanha Hugo em todas as competições. “O momento religioso é a hora que a gente se fecha, foca, se resguarda para aliviar o estresse antes da competição e pede proteção para nossas provas”, revelou Jonathan.

Polo aquático estreia hoje, antes mesmo da abertura

A primeira participação do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Toronto será hoje com a seleção feminina de polo aquático, em jogo que pode "definir" a medalha de prata na competição. Elas entram na água às 13h, três dias antes da cerimônia de abertura, para enfrentar as anfitriãs canadenses e sabem que uma vitória fará com que não cruzem com os Estados Unidos em uma possível semifinal. Isso aumentaria as chances de a equipe chegar à decisão inédita do torneio.

O Brasil está no Grupo B ao lado de Canadá, Venezuela e Porto Rico. Na outra chave estão as norte-americanas, México, Cuba e Argentina. "O Canadá é o nosso principal adversário. Acho que o Pan será um excelente torneio preparatório para os Jogos Olímpicos", explicou Marina Zablith, que desde 2001 está na Seleção Brasileira — passou também pelas categorias de base do time nacional.

A atleta do Pinheiros-SP diz que o objetivo é fugir do confronto contra as norte-americanas. "A gente quer melhorar nossa colocação da última edição e garantir a prata. Não tem como competir com os Estados Unidos. É a melhor seleção do mundo na atualidade."

Nos Jogos de Guadalajara, no México, em 2011, o Brasil ficou com o bronze. Na primeira fase, perdeu para o Canadá por 13 a 4, ganhou outros dois jogos e, na semifinal, levou de 13 a 1 dos Estados Unidos. Na disputa do terceiro lugar, ganhou de Cuba por 9 a 8. "Demos um salto de investimento e de resultado. Acho que estamos melhor fisicamente e mais fortes", disse Marina.

O time nacional masculino também estreia hoje no Pan de Toronto. A partida contra o Canadá, às 19h, é válida pelo Grupo B, que conta ainda com México e Venezuela. Na outra chave estão Estados Unidos, Equador, Cuba e Argentina. Os dois primeiros de cada grupo avançam à próxima fase. (Agência Estado)