Publicado 06 de Julho de 2015 - 5h30

O São Paulo até pressionou, mas não conseguiu superar a defesa do Fluminense e ficou no 0 a 0, ontem, no Morumbi, acumulando a quarta partida seguida sem vencer. O resultado também deixa o time mais longe da ponta do Brasileirão e já começa a incomodar a torcida, que chiou um pouco após mais um tropeço em casa. Agora, o time já pensa no Vasco, adversário de quarta-feira, em Brasília, e sabe que precisa dos três pontos para não se distanciar ainda mais dos líderes.

Sem poder contar com o lateral-direito Bruno, que teve uma entorse no tornozelo esquerdo, o técnico Juan Carlos Osorio colocou o volante Thiago Mendes no setor. Ele também optou por testar o zagueiro Lucão de volante, deixando Toloi e Edson Silva como dupla de zaga. Assim, ele tinha dois jogadores de grande poder de marcação no meio e outros dois que tinham liberdade para se aproximar mais de Pato e Luis Fabiano.

Só que do outro lado, o Fluminense se mostrou bastante precavido, com uma postura em campo bem nítida de que iria marcar e explorar os contra-ataques em velocidade. Com tanta gente marcando, ficava difícil se aproximar do gol adversário. O São Paulo teve uma boa chance, aos 16, quando Hudson foi ao ataque, deu um belo passe para Michel Bastos, que cruzou. Pato subiu alto, cabeceou, mas Diego Cavalieri espalmou com grande defesa. Pouco depois, Ganso tabelou com Pato e chutou com perigo, para fora.

A resposta do Fluminense veio em um contra-ataque após Toloi tentar ir para frente e perder a bola. Gerson recebeu em velocidade, invadiu a área e foi tocado por Reinaldo. O jogador desmoronou e ficou pedindo pênalti, mas o juiz mandou seguir.

Como estava difícil chegar ao gol, os dois lados arriscaram chutes de fora da área, tanto com Fred e Jean quanto com Michel Bastos, mas todos foram sem direção.

Na etapa final, o São Paulo voltou disposto a mudar o panorama da partida. O técnico Osorio colocou em campo Rodrigo Caio, Centurión e mais tarde Wesley. E foi com eles que o time pressionou em busca da vitória.

Aos 23, em uma jogada no ataque, a bola foi cruzada da esquerda e Ganso, sozinho, cabeceou fraco, nas mãos de Cavalieri. Pouco depois, Centurión recebeu livre, limpou seu marcador, mas foi travado na hora do chute. A torcida tentava empurrar o time e levantou quando Ganso obrigou o goleiro do Fluminense a mandar para escanteio. Na cobrança, Rodrigo Caio mandou a bola no travessão, de cabeça. (Da Agência Estado)

Osorio ignora palavrões de Michel Bastos

O técnico Juan Carlos Osorio considerou injusto o empate com o Fluminense e minimizou os palavrões de Michel Bastos contra ele após ser substituído no 2 tempo. "Eu tenho mais preocupação pelo jogo e pelo meu time do que pela reação de um jogador", avisou, citando ainda Jorge Sampaoli, técnico do Chile, que conquistou no sábado a Copa América.

"Estava vendo a partida contra a Argentina, então o Sampaoli fez uma substituição e o jogador falou um monte de coisas. Ele nem tomou conhecimento. Comigo é assim também", disse, sem citar o atleta. Na final da Copa América, Valdivia foi substituído e falou palavrões para seu treinador.

O próprio Michel Bastos, de cabeça mais fria, explicou que se exaltou porque não gosta de sair da equipe. "Naquele momento você fica chateado pelo fato de ficar sempre ajudando a equipe ou com passe ou com gol. Ainda mais neste momento em que a equipe estava precisando ganhar. A gente não gosta, mas não é nada contra o treinador. Ao contrário, o Osorio, desde que chegou, tem me dado confiança." (AE)

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Thiago Mendes, Rafael Toloi,Edson Silva (Rodrigo Caio) e Reinaldo; Lucão, Hudson (Wesley), Michel Bastos (Centurión) e Ganso; Luis Fabiano e Pato. Técnico: Osorio.

25

Foi o dia da última vitória do São Paulo sobre o Flu (2 a 1). Depois foram três derrotas e um empate.