Publicado 02 de Julho de 2015 - 5h30

O ala Leandrinho, atual campeão da NBA pelo Golden State Warriors, disse ontem que sonha em conquistar uma medalha pelo Brasil na Olimpíada do próximo ano, no Rio. E, para isso, demonstrou-se motivado a participar de uma eventual disputa pré-olímpica pela seleção, uma vez que o Brasil corre o risco de perder a vaga direta de país-sede em virtude de um débito que a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) possui com a Federação Internacional de Basquete (Fiba).

A Fiba cobra uma dívida de US$ 700 mil (cerca de R$ 2,17 milhões) referentes ao "convite" dado à seleção para disputar o Mundial do ano passado — o Brasil não havia conseguido classificação na quadra. Caso o pagamento não seja acertado até o fim de julho, a entidade internacional ameaça cassar a vaga direta do País para a Olimpíada, tanto no masculino quanto no feminino.

"É difícil você ter o privilégio de participar de uma Olimpíada dentro de seu próprio país, assim como foi a Copa do Mundo. Estamos aqui para o que der e vier. Se tiver que classificar, vamos classificar. Vontade não falta", afirmou o jogador em entrevista coletiva concedida ontem.

O jogador ressaltou, porém, que não foi comunicado sobre a eventual necessidade de disputar o classificatório. "Estou sabendo agora o que está acontecendo, mas estou à disposição independentemente do que acontecer. Espero que o melhor aconteça, vamos ter uma Olimpíada dentro de casa e todos nós vamos querer estar presentes". Segundo Leandrinho, "a seleção me trouxe muitas coisas boas" e é "um sonho conseguir uma medalha dentro de casa."

Segundo brasileiro da história a conquistar um título da NBA, Leandrinho declarou que espera continuar no Golden State Warriors, mas lembrou que isso dependerá de negociações que envolvam também outros atletas. A liga norte-americana de basquete trabalha com limite de teto salarial e, com a conquista, o grupo foi valorizado. "Existe interesse nas duas partes. A gente sabe que tem o teto salarial e algumas trocas vão acontecer para que o teto salarial seja aberto para que alguns jogadores assinem. Mas quem está tomando conta disso são meus agentes.” (AE)