Publicado 02 de Julho de 2015 - 5h30

O Palmeiras queria mostrar que a vitória sobre o São Paulo não foi por acaso e conseguiu deixar boa impressão. Não foi aquela atuação de encher os olhos, mas o palmeirense não pode reclamar do que viu ontem na vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense, no Allianz Parque, pelo Brasileirão. Mesmo sem muita inspiração, o time mostrou força e vontade. E a fase é tão boa que a sorte novamente esteve ao seu lado. Com o resultado, o Verdão chegou aos 15 pontos e subiu duas posições na tabela, passando do 11 para o 9 lugar.

O Palmeiras foi claramente surpreendido no primeiro tempo com a postura da Chapecoense. Todo mundo esperava ver em campo um time retrancado e que só sairia da defesa em raríssimos casos. Porém o que se viu foi justamente o contrário.

A equipe comandada por Vinícius Eutrópio apertou a saída de bola, avançou a marcação e chegou a ter um certo domínio do jogo nos minutos iniciais.

Já o Palmeiras não escondia suas dificuldades na frente. Robinho e Leandro Pereira não estavam em uma noite inspirada, muito graças à boa marcação da Chapecoense, que só não engrossou ainda mais o jogo porque finalizava mal.

Aos poucos, os palmeirenses foram se recuperando do susto de ver a audácia do adversário e passaram a entender como enfrentá-lo. E como aconteceu contra o São Paulo, a sorte estava no lado dos donos da casa para abrir o placar.

Em um lance bem parecido com o do primeiro gol no clássico, Dudu dominou e ajeitou para Egídio, que apareceu na frente da área e chutou forte. A bola desviou em Rafael Lima e tirou o goleiro Danilo da jogada.

A expectativa era que o gol fizesse o Verdão se acalmar, colocar a bola no chão e se reorganizar, como visto no domingo, mas as dificuldades continuaram. No segundo tempo, o técnico Marcelo Oliveira resolveu responder ao adversário na mesma moeda e também mandou seu time avançar a marcação.

Mesmo conseguindo o desarme diversas vezes, o Palmeiras ainda não conseguia encaixar um bom ataque para liquidar o jogo. Vendo que faltava um pouco mais de calma com a bola, Marcelo Oliveira tirou Dudu e colocou Zé Roberto para ser uma boa opção na organização tática. Era deixar de lado a correria e apostar na técnica.

Mas ainda faltava algo. Aos 23’, entrou Cristaldo no lugar de Leandro Pereira. E aquela sorte do primeiro gol parece acompanhar também o atacante argentino. Bastou um minuto em campo para ele aproveitar cruzamento de Egídio e desvio de Robinho para, sem goleiro, mandar para as redes, marcar seu 11 gol na temporada e garantir a festa da torcida, que mais uma vez lotou a arena alviverde. E o Verdão vai mostrando evolução e subindo na tabela. (Da Agência Estado)

3

Conseguiu o Palmeiras nos últimos quatro jogos que disputou pelo Campeonato Brasileiro

PALMEIRAS

Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel, Arouca (Andrei), Robinho, Rafael Marques e Dudu (Zé Roberto); Leandro Pereira (Cristaldo). Técnico: Marcelo Oliveira.

Cristaldo não garante sua permanência na equipe

A torcida palmeirense gritou o nome de Cristaldo quando Leandro Pereira estava em campo. Marcelo Oliveira deu uma chance e o jogador não decepcionou. O argentino entrou no segundo tempo da partida com a Chapecoense e logo no primeiro toque na bola marcou o gol que sacramentou a vitória do Palmeiras por 2 a 0.

"Estou feliz no Palmeiras. Mas aqui temos muitos jogadores. Às vezes me sinto mal porque a torcida fica gritando meu nome e tenho um companheiro jogando. Me sinto um pouco culpado”, disse que Cristaldo, que pode deixar oclube em função da grande concorrência — Lucas Barrios deverá chegar na próxima semana e Alecsandro voltará de lesão, sem contar Leandro Pereira que começou jogando ontem.

"Não tenho nada concreto. Estou pensando e mostrando dentro de campo que quero ficar. Mas às vezes no futebol não depende apenas de uma pessoa só", disse o atacante logo depois da partida no Allianz Parque.