Publicado 02 de Julho de 2015 - 5h30

O desempenho do São Paulo no Campeonato Brasileiro está em queda livre. A chance de se recuperar da goleada para o Palmeiras evaporou ontem diante do Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, em Curitiba, pela 10 rodada, nas falhas da defesa e na incapacidade de reagir aos gols sofridos. O time da casa comandou o jogo, fez 2 a 1 e impôs ao time paulista a segunda derrota seguida.

Antes líder e no G4, a equipe agora é abatida e desorganizada. O goleiro Rogério Ceni ainda evitou uma derrota maior. E com o elenco cada vez mais enxuto, o técnico Juan Carlos Osorio tem poucas opções. Ontem, eram somente cinco reservas e o treinador promoveu a estreia dos garotos Lyanco e Mattheus Reis no time principal.

A equipe tricolor não pôde contar com Osorio no banco — foi expulso no clássico. Sem o treinador, Milton Cruz comandou o time. O São Paulo começou o jogo bem organizado, apesar das cinco alterações, uma delas de última hora, causada pela negociação de Souza com o Fenerbahçe. Com isso, o São Paulo atuou com Lucão e Edson Silva na zaga. Durante a partida, o zagueiro Lyanco e o lateral esquerdo Matheus Reis, jogadores das equipe de base, também ganharam chance de entrar em campo.

O time visitante conseguia ter paciência para trocar passes no campo de ataque e evitou grande sufoco na defesa.

A atuação competente, mas não brilhante, serviu ao menos para equilibrar o jogo. Só faltou consertar os velhos defeitos da zaga. Em cobrança de falta, o zagueiro Gustavo apareceu livre para cabecear e abrir o placar. Pareceu replay do gol de Victor Ramos no clássico.

A desvantagem no primeiro tempo escondeu bons lances do ataque. Antes do gol atleticano, Alexandre Pato chutou rente à trave e a defesa tirou o gol de Paulo Henrique Ganso em cima da linha.

Depois do intervalo, o Atlético avançou o time e tirou a saída de bola do São Paulo. Rapidamente, o segundo gol veio, com Marcos Guilherme, e a blitz sufocou o São Paulo durante o início do segundo tempo.

Atordoado, o time do Morumbi já estava batido quando ganhou uma falsa sobrevida. O goleiro Weverton errou uma reposição e presenteou Centurión. O argentino diminuiu e a equipe ensaiou uma reação tímida, sem força e incapaz de assustar o Atlético.

O São Paulo manteve o tabu de nunca ter vencido o Atlético-PR na Arena da Baixada, estádio construído em 1999. Em 14 jogos, o time da casa venceu dez e empatou outros quatro. Com a vitória, a equipe paranaense entrou no G4 do Brasileirão.

Depois da partida de ontem, o goleiro Rogério Ceni engrossou o coro puxado pelo técnico Juan Carlos Osorio e criticou a diretoria do São Paulo. Ceni disse compreender que o clube atravessa uma crise financeira, mas, como jogador, quer vencer jogos no Campeonato Brasileiro. "Entendo a necessidade financeira do clube, mas eu quero ser campeão. São conflitos que a gente tem que resolver", disse o goleiro. (Da Agência Estado)

A FRASE

“O time tomou um gol e se abateu. Isso não pode acontecer, nós temos que reagir e ir para cima.”

ATLÉTICO-PR

Weverton; Eduardo, Gustavo, Kadu e Natanael; Otávio, Hernani e Ytalo (Jadson); Marcos Guilherme (Giovanni), Nikão e Walter (Douglas Coutinho). Técnico: Milton Mendes.