Publicado 02 de Julho de 2015 - 5h30

Com apenas 10 pontos na tabela de classificação, flertando com a zona de rebaixamento e apenas dois dias depois de ter perdido Robinho, o Santos quer começar a reagir hoje no Campeonato Brasileiro. E, para isso, terá de conseguir, diante do Fluminense, às 21h, no estádio do Maracanã, no Rio, pela 10 rodada, a sua primeira vitória como visitante.

O técnico Marcelo Fernandes tenta levantar o ânimo do elenco, que nos últimos dias só enfrentou notícias ruins. No último domingo, o time foi derrotado pelo Internacional por 1 a 0 e perdeu dois titulares para a partida de hoje: o zagueiro David Braz foi expulso e o volante Lucas Otávio recebeu o terceiro cartão amarelo.

Na terça-feira, as negociações para tentar renovar o contrato de Robinho foram encerradas e o atacante deixou o clube. Com ele, o Santos tinha um aproveitamento na temporada de 71,66%. Mas quando jogou sem ele, o índice caiu para 48%.

"O reflexo da saída dele foi lá atrás, quando viajou para a Copa América. Conseguimos provar que sem ele e o Lucas Lima podemos jogar bem, como aconteceu na vitória sobre o Corinthians. A equipe tem se portado bem e é vida que segue. Queríamos muito que ele ficasse, mas foi uma escolha profissional dele. O Pelé parou, Neymar foi embora e agora é a vez do Robinho", disse o treinador.

Com receio de perder mais um jogador importante, a diretoria acertou com os empresários do meia Lucas Lima um aumento salarial para segurá-lo e evitar que o Porto consiga convencê-lo a ir embora — recentemente o clube português ofereceu 10 milhões de euros (cerca de R$ 35 milhões) para contratar o jogador de 24 anos.

Mesmo sem poder contar com David Braz e Lucas Otávio, Marcelo Fernandes vai manter o esquema tático com dois meias e três atacantes. Na defesa, o garoto Paulo Ricardo ganha uma nova chance, enquanto que no meio Rafael Longuine jogará mais recuado para ajudar Thiago Maia na marcação.

Além de David Braz e Lucas Otávio, o Santos terá hoje mais nove desfalques: Alison, Chiquinho, Zeca, Elano, Renato, Valencia, Marquinhos Gabriel e Neto Berola estão machucados e Gustavo Henrique está com a Seleção Brasileira que se prepara para a disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Mando

O presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, desistiu de vender o mando de campo das partidas contra Grêmio, Vasco e Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro. Os jogos seriam disputados no estádio Mané Garrincha, em Brasília, mas o acordo não foi adiante. E o clube santista já colocou à venda os ingressos para o primeiro dos três jogos em que será mandante.

O Santos enfrentará o Grêmio neste domingo, na Vila Belmiro, local onde também deve ocorrer os jogos diante dos adversários cariocas. Durante o Campeonato Paulista, o time chegou a fazer um acordo com uma empresa para atuar no Pacaembu, mas o plano não deu muito certo. Além da torcida ter comparecido em um número muito baixo, os jogadores reclamaram publicamente por ficarem longe da Vila.

A venda de mando de campo é uma forma encontrada pela diretoria para tentar arrecadar mais fundos, já que o clube atravessa um momento financeiro delicado, e ainda ter mais público em seus jogos. Para o jogo contra o Grêmio, o preço dos ingressos varia de R$ 20 a R$ 100 e as vendas estão liberadas para sócios-torcedores. A partir de hoje, as bilheterias da Vila Belmiro estarão abertas para todos os torcedores. (Da Agência Estado)

Diego não pretende voltar tão cedo

O meia Diego frequentemente é citado como um possível reforço em diversos clubes do futebol brasileiro. Entretanto, o jogador ainda tem mais dois anos de contrato com o Fenerbahçe, da Turquia, e não pretende voltar ao Brasil nos próximos meses. Quando tiver a oportunidade, deixa claro que sua prioridade será negociar com o Santos, time no qual teve destaque no cenário nacional.

"Nesse momento não temos negociação. Tenho dois anos de contrato e tenho cuidado porque tenho admiração pelo futebol brasileiro. Gostaria de voltar, mas não consigo precisar o que vai acontecer. Não depende só de mim. Depende do presidente e da diretoria", disse o meia de 30 anos, em entrevista à ESPN Brasil.

Apesar da demonstração pública de carinho pelo time da Vila Belmiro, Diego admite a possibilidade de defender outro clube no futebol brasileiro. "Uma coisa é certa: Meu carinho pelo Santos não vai mudar, mesmo se um dia eu estiver em outro clube. Entretanto, o Santos é minha prioridade", ressaltou.

Diego começou nas categorias de base do São Paulo, mas ainda nas divisões inferiores foi para o Santos, onde apareceu com destaque ao lado de Robinho e, com apenas 17 anos, já foi lançado no time profissional. Com a camisa alvinegra, conquistou o Campeonato Brasileiro de 2002 e de 2004. (AE)

FLUMINENSE

Diego Cavalieri, Wellington Silva, Henrique, Antônio Carlos e Giovanni; Edson, Jean, Wágner e Gerson; Marcos Junior e Fred (Magno Alves). Técnico: Enderson Moreira.