Publicado 03 de Julho de 2015 - 11h28

Frase com a hashtag #desde77 provoca a Ponte Preta e revolta torcida e diretoria alvinegra

Reprodução/Facebook

Frase com a hashtag #desde77 provoca a Ponte Preta e revolta torcida e diretoria alvinegra

A Ponte Preta informou, através de sua assessoria de imprensa, que entrará com uma representação contra o Corinthians devido à mensagem vinculada em no placar eletrônico do estádio Arena Corinthians, também conhecido como Itaquerão, durante a partida entre os dois clubes, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série A, na noite da última quinta-feira (2). O Corinthians exibiu a frase #desde77, em referência ao fato do clube ter vencido a Ponte Preta no Campeonato Paulista de 1977. O fato é considerado pela Ponte Preta como "provocação, atitude imatura e incitação à violência".

De acordo com a publicação no site oficial da Ponte Preta, o diretor jurídico do clube Giuliano Guerreiro considera o fato como utilização de um meio oficial para provocar a torcida adversária. "Foi usado um meio oficial para provocar a torcida do adversário, uma atitude no mínimo imatura e que incita a violência. Cabe lembrar que na partida contra o Joinville o locutor do estádio também provocou a Ponte e houve punição ao time catarinense e mesmo aqui já tivemos episódio semelhante em dérbi no qual um locutor contratado excedeu-se em seus comentários e acabou banido", disse.

Nos dois casos citados pelo diretor jurídico, os clubes foram punidos com base no estatuto do torcedor e e na Código brasileiro de Justiça Desportiva. A punição mais recente contra a Ponte Preta e o Joinville, forçou os clubes a jogarem as duas primeiras partidas do Brasileirão de 2015 em casa com os portões fechados.

Para o diretor social e vice-presidente da Macaca, Giovanni Dimarzio a atitude da diretoria do Timão reduz a importância do Corinthians no cenário nacional."Temos um ótimo relacionamento com a diretoria corintiana e nunca esperaríamos uma atitude destas, que apequena o time paulistano. Foi uma provocação gratuita e desnecessária, ainda mais em uma partida que ambas as equipes jogaram bem e que ocorreu justamente após um confronto no Paulista deste ano entre os dois em que notoriamente a Ponte foi prejudicada por erro de arbitragem que até os jogadores corintianos reconheceram. O que fizeram ontem foi uma atitude lamentável, que no mínimo mereceria um pedido oficial de desculpas", afirmou.

O Corinthians tem causado polêmica ao postar mensagens provocativas contra os adversários que enfrenta em sua casa, no Itaquerão. Contra o Internacional, ainda no Campeonato Brasileiro de 2015, o placar exibiu a hashtag #põenodvd, uma referência a uma polêmica que aconteceu na final da Copa do brasil de 2009, disputada pelas duas equipes.

Na ocasião, o presidente do Corinthians Roberto de Andrade veio a público pedir desculpas à torcida do Internacional e afirmou que averiguaria quem foi o responsável por divulgar a frase no telão do clube. No entanto, parece que contra a Ponte Preta o mandatário do clube mudou de opinião.

Em entrevista coletiva após a partida, Andrade afirmou que trata-se de uma verdade e que a provocação faz parte do futebol brasileiro. "É uma frase porque fomos campeões em cima da Ponte, é um fato, não inventamos nada. Ninguém está provocando ninguém, são coisas sadias do futebol e vocês precisam aprender a conviver com isso e parar de colocar fogo. O Internacional reclamou, pedimos desculpas, peço de novo se for necessário. Perdemos para o Palmeiras e eles deixaram o estádio todo verde. Faz parte do jogo", disse.

Justiça Desportiva

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) prevê punições ao responsável pela divulgação da frase provocativa contra a torcida adversária. A pessoa que publicou a frase pode ser denunciada pela Ponte Preta baseada no artigo 258-A do CBJD.

A legislação prevê que "Provocar o público durante a partida, prova ou equivalente", pode gerar uma punição ao responsável pela provocação de 15 a 180 dias.

Como a frase trata de uma provocação e não gerou qualquer briga entre as torcidas presentes no estádio, o ato não é considerado como incitação ao ódio ou violência e sim como provocação, não gerando qualquer punição contra o clube de São Paulo, como perda de mando de jogos.