Publicado 15 de Julho de 2015 - 14h48

Por Paulo Campos


Paulo Campos/AAN

Faltando cinco anos para a década de 1920, cerca de 10 mil pessoas parecem presas no tempo. O Jazz Age Lawn Party, que acontece há 10 anos em Nova York, e que segundo seu fundador Michael Arenella, pode vir ao Brasil em 2016, celebra a época.  Amante da bossa nova e fã declarado de Tom Jobim e Caetano Veloso, Arenella disse que estuda um local no País, que é o segundo público que mais procura informações sobre a festa, perdendo apenas para os norte-americanos.  "Amo a cultura do Brasil. Sei que os anos 20 lá foram diferentes dos vividos nos Estados Unidos. Sou um grande apreciador da língua, acho o português belo, junto com o russo e o italiano", diz Arenella que logo se coloca a cantar um trecho de Corcovado, de Tom Jobim.

A festa que parece ter saído do romance O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, acontece duas vezes por ano na Governor’s Island. O próximo encontro irá ocorrer no fim nos dias 15 e 16 de agosto. E apesar dos trajes não serem obrigatórios, a grande maioria do público se veste a caráter, pegam a balsa e vão curtir o dia com aulas de dança de Charleston e apresentação de dançarinos profissionais, sempre ao som de muito jazz. “A música, o jazz, as roupas e toda a aura e mística dos anos 20 faz com que as pessoas queiram reviver o momento. Eu acho que esses anos trazem felicidade e aqui não é diferente" , diz o organizador, que também é o vocalista da principal banda do evento, a Dreamland Orchestra.

 O valor dos ingressos vai de US$ 55 até US$ 900, e como todo evento comercial, no meio de tanta agitação, é possível visitar tendas e comprar vestidos, ternos e milhares de acessórios da época da lei seca nos Estados Unidos. Quem não consegue entrada, não perde a chance e faz um piquenique nostálgico do lado de fora. Portanto, pegue as roupas e o colar de sua bisavó, o terno risca de giz e faça sua aposta do local da festa, Parque Maeda (Itu), Colônia Helvetia (Indaiatuba), Parque do Ibirapuera (São Paulo) ou Jardim Botânico (Rio de Janeiro) ?

 

Escrito por:

Paulo Campos